Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.199,20
    +519,92 (+1,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

BRF adquire Mogiana Alimentos e vai a 10% do mercado de ração para pets

·3 minuto de leitura
Logo da BRF fotografado em Curitiba (PR)

Por Roberto Samora e Ana Mano

SÃO PAULO (Reuters) - A BRF anunciou nesta sexta-feira acordo para comprar a empresa de ração para pets Mogiana Alimentos, uma semana após divulgar a aquisição de outra companhia do setor, a Hercosul, e deverá usar caixa próprio para efetivar o negócio, disse o presidente-executivo, Lorival Luz.

A Moagiana Alimentos tem faturamento anual na casa de 450 milhões de reais, versus pouco mais de 300 milhões de reais da Hercosul, e ambas possuem capacidade para garantir crescimento orgânico da BRF, destacou o executivo.

Com as aquisições, a companhia de alimentos BRF passará de uma fatia no segmento de 0,2% para cerca de 10%, em um mercado de maior valor agregado que cresce mais de 20% ao ano no país.

O Brasil é o segundo maior país em vendas de pet food do mundo, atrás apenas dos EUA, e tem atraído investimentos como o da Nestlé Purina, que anunciou nesta semana cerca de 1 bilhão de reais para a construção de fábrica em Santa Catarina.

"É até mais do que empolgação, é uma confiança muito grande neste setor, que tem crescido a duplo dígito, ano a ano", disse Luz à Reuters, ao comentar o plano da empresa de estar entre as duas maiores do setor até 2025.

A BRF não revelou os valores das duas aquisições, que terão algum impacto na dívida, mas também trarão geração de caixa para a companhia, comentou Luz.

"Para alavancagem, o impacto não é relevante, continuamos com a disciplina financeira, mantendo a companhia abaixo de 3 vezes mesmo com esses movimentos inorgânicos."

Considerando a capacidade de expansão da produção com as transações recentes, a BRF não prevê no curto e médio prazos novas aquisições no setor, acrescentou.

"As duas empresas ainda têm capacidade disponível para sustentar um crescimento orgânico."

As ações da BRF caíram cerca de 1% no início da tarde. Há 46 anos no mercado, a Mogiana Alimentos tem forte atuação na região Sudeste, e a operação é complementar à do grupo Hercosul, com expressiva participação na região Sul e em países do Mercosul.

A Mogiana, com sede no Estado de São Paulo, também exporta para países do Caribe, Europa e América Latina.

APROVEITANDO PREÇOS DO MILHO

Ao comentar recentes aquisições de ações da companhia pela Marfrig, que abocanhou fatia na BRF de 31%, o CEO disse que isso confirma o potencial da empresa, maior exportadora global de carne de frango e uma das líderes em produtos alimentícios no Brasil.

"É uma companhia como a nossa, é sempre importante, (a BRF) não tinha um acionista de referência, é importante ter um acionista de referência e conhecedor do setor, é positivo", disse o executivo.

Ao ser questionado sobre recente queda do preço do milho, importante matéria-prima da indústria de carnes, Luz disse que a BRF está aproveitando para reconstruir estoques.

Após máximas históricas de mais de 100 reais, a saca de 60 kg do cereal em maio, segundo o indicador Esalq, recuou para cerca de 86 reais, registrando baixa de quase 14% no acumulado de junho.

"A gente sempre aproveita os momentos de baixa para construir um pouco do estoque que a gente precisa para alimentar animais, para não correr o risco de ficar sem", disse Luz.

Contudo, o executivo reafirmou que não vê os preços do milho recuando para patamares de 50 a 60 reais, como os registrados no mesmo período do ano passado, diante da forte demanda para ração animal e da indústria de etanol.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos