Mercado abrirá em 3 h 53 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,20
    -0,19 (-0,51%)
     
  • OURO

    1.880,80
    +1,60 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    13.154,99
    -0,38 (-0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,43
    -12,26 (-4,50%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    24.590,37
    -118,43 (-0,48%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.243,25
    +110,50 (+0,99%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7302
    -0,0042 (-0,06%)
     

Brexit: parlamentares britânicos poderão bloquear aplicação de polêmico projeto de lei

·2 minutos de leitura
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, provocou indignação em Bruxelas com planos de dar aos parlamentares do Reino Unido o poder de anular alguns dos termos de saída da União Europeia negociados em 2019
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, provocou indignação em Bruxelas com planos de dar aos parlamentares do Reino Unido o poder de anular alguns dos termos de saída da União Europeia negociados em 2019

Os parlamentares britânicos aprovaram nesta terça-feira (22) uma emenda que lhes dá o direito de veto caso o governo queira usar seu novo projeto de lei que desafia o acordo do Brexit.

Londres provocou críticas da União Europeia ao apresentar um projeto de lei, agora em apreciação na Câmara dos Comuns, que viola em parte o acordo do Brexit assinado em janeiro, o que constitui - segundo admitiu o próprio Reino Unido - uma violação do direito internacional.

O texto gera polêmica na maioria conservadora, e alguns parlamentares ameaçaram não dar sinal verde, temendo que isso prejudique a reputação do Reino Unido no cenário internacional.

Os conservadores finalmente chegaram a um acordo com o primeiro-ministro Boris Johnson, ao votarem na terça-feira uma emenda, proposta pelo Executivo, que torna obrigatória a aprovação do Legislativo para que os poderes conferidos pela nova lei entrem em vigor.

O controverso texto, que será debatido até a próxima terça-feira pelos parlamentares antes de ser encaminhado à Câmara dos Lordes, dá apenas ao Reino Unido o poder - que deveria ser compartilhado com os europeus - para tomar certas decisões na Irlanda do Norte, ao contrário das disposições especiais previstas para esta região no acordo do Brexit.

Para o congressista Robert Neill, líder dos críticos conservadores do projeto de lei, a emenda possibilita "tirar o melhor proveito de um trabalho ruim". 

Porém, o projeto ainda permite que o Reino Unido viole o tratado do Brexit, então esta emenda não deve apaziguar a ira de Bruxelas. Os líderes do Parlamento Europeu ameaçaram bloquear qualquer pacto comercial pós-Brexit se Londres não honrar seus compromissos.

O Reino Unido deixou oficialmente a UE no final de janeiro, mas busca antes do fim do período de transição, previsto para 31 de dezembro, um acordo de livre comércio com seus ex-parceiros europeus.

ar-cdu/me/jz/ic/cc