Mercado abrirá em 1 h 51 min
  • BOVESPA

    115.882,30
    -581,70 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.262,01
    -791,59 (-1,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,68
    -0,17 (-0,32%)
     
  • OURO

    1.838,50
    -6,40 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    31.611,17
    +426,66 (+1,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    637,43
    +9,77 (+1,56%)
     
  • S&P500

    3.750,77
    -98,85 (-2,57%)
     
  • DOW JONES

    30.303,17
    -633,83 (-2,05%)
     
  • FTSE

    6.480,12
    -87,25 (-1,33%)
     
  • HANG SENG

    28.550,77
    -746,76 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.197,42
    -437,79 (-1,53%)
     
  • NASDAQ

    12.964,25
    -141,25 (-1,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5480
    -0,0057 (-0,09%)
     

Brexit oferece condução alternativa de serviços financeiros, diz ministro

·1 minuto de leitura
O ministro Rishi Sunak no Parlamento britânico

LONDRES (Reuters) - O Brexit vai oferecer ao Reino Unido a chance de fazer as coisas de forma diferente em relação aos serviços financeiros, disse o ministro das Finanças Rishi Sunak neste domingo, garantindo, ainda, que o país irá cooperar com a União Europeia em uma abordagem ao setor, apesar dos poucos detalhes sobre o assunto que existem no acordo comercial entre as partes.

A partir do próximo 1º de janeiro, grupos de serviços financeiros com sede no Reino Unido perdem acesso automático ao mercado único da UE, e os dois lados dizem que o novo acesso ao mercado deverá ser negociado fora do pacto comercial do Brexit em acordos de equivalência específicos.

"Agora que deixamos a União Europeia, podemos fazer as coisas de maneira um pouco diferente (em serviços financeiros)", disse Sunak às emissoras.

O Reino Unido e a UE fecharam um acordo comercial na última quinta-feira, mas o primeiro-ministro Boris Johnson admitiu que ele não versa tanto quanto gostaria sobre o setor de serviços financeiros e equivalência regulatória.

Sob um sistema conhecido como equivalência, o acesso aos mercados da UE não será concedido a bancos, seguradoras e outras empresas financeiras sediadas na Grã-Bretanha, a menos que suas regras sejam consideradas "equivalentes" por Bruxelas, ou tão robustas quanto as regulamentações do bloco.

Os dois lados buscarão chegar a um acordo sobre um memorando de entendimento sobre cooperação regulatória em serviços financeiros até março de 2021, e Sunak disse que isso deve fornecer garantias ao setor.

(Por Alistair Smout)