Mercado abrirá em 19 mins
  • BOVESPA

    106.471,92
    +579,92 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.723,43
    -192,77 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,07
    -0,94 (-1,06%)
     
  • OURO

    1.782,90
    +10,00 (+0,56%)
     
  • BTC-USD

    24.109,79
    +1.031,72 (+4,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    563,33
    +28,10 (+5,25%)
     
  • S&P500

    4.145,19
    -6,75 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    32.803,47
    +76,67 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.482,51
    +42,77 (+0,57%)
     
  • HANG SENG

    20.045,77
    -156,17 (-0,77%)
     
  • NIKKEI

    28.249,24
    +73,37 (+0,26%)
     
  • NASDAQ

    13.333,00
    +104,25 (+0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2307
    -0,0359 (-0,68%)
     

Brent e WTI registram queda de mais de 7% e fecham abaixo dos US$ 100

O petróleo fechou em queda nesta terça-feira (12), influenciado por um clima de ansiedade sobre a possibilidade de uma recessão global e seu impacto no mercado petrolífero.

O preço do Brent do Mar do Norte para entrega em setembro fechou em queda de 7,10%, a 99,49 dólares, enquanto o barril de West Texas Intermediate (WTI), referência do petróleo americano com vencimento em agosto, recuou 7,92%, situando-se a 95,84 dólares.

A queda do Brent abaixo da barreira psicológica dos 100 dólares ocorreu depois de o euro cair até se nivelar com o dólar americano pela primeira vez em quase 20 anos, enquanto a Rússia interrompeu o fornecimento de gás para a Europa.

"O petróleo está em queda livre", pois despenca "à medida que se deterioram as perspectivas de crescimento" e aumentam as preocupações sobre a demanda, disse Craig Erlam, analista da Oanda.

"No Ocidente, a combinação dos altos preços da energia e do aumento das taxas de juros está alimentando os temores de uma recessão, que teria forte impacto" no mercado de petróleo, disse, por sua vez, Carsten Fritsch, do Commerzbank.

A isso se soma uma nova onda de restrições sanitárias na China que preocupa os investidores.

"Há uma desaceleração na demanda do maior importador de petróleo do mundo e temores sobre o que os números do crescimento do segundo trimestre vão revelar na sexta-feira", avaliou Victoria Scholar, analista da Interactive Investor.

A China "está sacrificando mais uma vez sua economia em prol de objetivos draconianos de saúde pública", acrescentou.

- Demanda sim, demanda não -

A queda do euro "gera preocupações de que a Europa esteja às portas de uma recessão e de que terão que aumentar as taxas de juros, o que poderia frear a demanda de petróleo", disse Andy Lipow, da Lipow Oil Associates.

Para Matt Smith, da Kpler, a alta da moeda americana gera "a preocupação de que o petróleo esteja ficando caro demais para qualquer outra moeda que não seja o dólar".

No entanto, os analistas advertem que as reservas mundiais de petróleo permanecem baixas em relação aos padrões históricos, o que significa que o mercado poderia ter dificuldades para satisfazer a demanda se houver uma interrupção no abastecimento.

Andy Lipow destacou que os operadores passaram por alto o relatório mensal da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep), que espera que a demanda de petróleo continue crescendo em 2023, mas em um ritmo mais lento.

A agência de informação sobre energia dos Estados Unidos fez a mesma previsão e anunciou um aumento do consumo de 2 milhões de barris diários no próximo ano, frente ao incremento de 2,2 milhões deste ano.

A demanda em 2023 deve ser respaldada por um "desempenho econômico ainda sólido dos principais países consumidores, assim como uma melhora na situação geopolítica e a gestão da covid-19 na China", avaliou a Opep.

O relatório indica que "o mercado continua extremamente tenso", destacou Erlam, especialmente porque persistem as preocupações sobre o fornecimento, em particular com as sanções ao petróleo russo.

O outro elemento ignorado pelos traders foram os comentários do diretor da Agência Internacional de Energia (AIE), Fatih Birol, para quem "o mundo nunca conheceu uma crise energética de tamanha profundidade e complexidade".

"Pode ser que ainda não tenhamos visto o pior", acrescentou, durante uma intervenção em Sydney, Austrália.

tu/yow/gm/dga/mvv/rpr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos