Mercado abrirá em 5 h 39 min
  • BOVESPA

    121.909,03
    -128,97 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.867,15
    +618,15 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,37
    -0,55 (-0,85%)
     
  • OURO

    1.834,60
    -3,00 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    55.573,07
    -3.293,10 (-5,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.470,76
    -90,54 (-5,80%)
     
  • S&P500

    4.188,43
    -44,17 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    34.742,82
    -34,98 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.024,50
    -99,18 (-1,39%)
     
  • HANG SENG

    28.029,20
    -566,50 (-1,98%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.201,25
    -155,50 (-1,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3591
    +0,0189 (+0,30%)
     

Bravo investirá R$ 25 bi para produzir veículos elétricos no Brasil

Redação Finanças
·1 minuto de leitura
(Foto: Divulgação)
Fábrica deve ser implantada em junho, com estimativa de começar a operação em 2023

A montadora argentina Bravo assinou na última sexta-feira (5) um termo de intenção com o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), para implantação de uma fábrica de veículos elétricos e packs de baterias na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O projeto leva o nome de Colosso 1 e tem investimento estimado R$ 25 bilhões.

A fábrica deve ser implantada em junho de 2021, com estimativa de começar a operação em 2023 e de gerar 13.813 empregos diretos e indiretos. Em 2024, a previsão é que sejam produzidos 22.790 veículos e 43.750 packs de baterias.

Leia também:

Segundo o CEO da Bravo Motor Company Brasil, Eduardo Javier Muñoz, a estratégia inicial era abrir três unidades, mas apenas o estado de Minas Gerais foi escolhido para concentrar as operações no Brasil.

A empresa ArqBravo Group é jovem e começou a operar em 2008 na Argentina, mas desde 2012 a sede fica na Califórnia, nos Estados Unidos. No Brasil, já produz projetos de mobilidade elétrica no Pará, com frota de 1,1 mil veículos elétricos em Belém.

O anúncio da negociação vem em meio a um momento crítico da indústria automobilística brasileira, com pandemia da covid-19 e falta de matéria-prima. Recentemente, Chevrolet e Honda paralisararam a produção de veículos em suas unidades no Brasil.