Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -657,98 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,53 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    13.299,26
    -12,87 (-0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,09 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,65 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,32 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6639
    +0,0538 (+0,81%)
     

Braskem deve enfrentar ação judicial dos EUA por escândalo envolvendo Petrobras

Por Jonathan Stempel

Por Jonathan Stempel NOVA YORK (Reuters) - A petroquímica brasileira Braskem deve enfrentar a maior parte de uma ação de acionistas sobre seu papel no escândalo de corrupção envolvendo a estatal Petrobras, decidiu um juiz dos Estados Unidos. Em uma decisão divulgada nesta sexta-feira, o juiz Paul Engelmayer, de Manhattan, disse que os detentores de recibos de ações da Braskem nos EUA têm o direito de processar a empresa e o ex-presidente Carlos Fadigas por terem escondido deles que o pagamento de suborno permitiu que a empresa comprasse nafta da Petrobras a preços abaixo dos praticados pelo mercado. A nafta é um ingrediente chave para a petroquímica, e a denúncia diz que a Braskem comprou 70 por cento do insumo da Petrobras. Mark Gimbel, advogado da Braskem e de Fadigas, disse em um email que a empresa está "empenhada em defender-se vigorosamente" e satisfeita pelo juiz ter rejeitado várias outras ações. O preço dos American Depositary Receipts (ADRs) da Braskem caiu 20,3 por cento em 11 de março de 2015, depois que a empresa foi envolvida no escândalo de corrupção da operação Lava Jato, da Polícia Federal e do Ministério Público Federal. Em dezembro passado, a Braskem e a Odebrecht, que juntamente com a Petrobras são controladoras da Braskem, concordaram em pagar pelo menos 3,5 bilhões de dólares para encerrar as acusações de suborno movidas por reguladores norte-americanos, brasileiros e suíços. Em sua decisão de 55 páginas, datada de 30 de março, Engelmayer disse que a Braskem não estava obrigada a abordar todos os fatores de preço da nafta nas informações prestadas aos reguladores do mercado. Ele também disse, contudo, que os investidores em ADRs alegaram corretamente que a Braskem "escolheu levar ao conhecimento público apenas fatores benignos", enquanto escondia o "elefante na sala": o papel substancial que o suborno teve. A empresa "não tinha a liberdade de omitir seletivamente o que a ação alega ser justamente o fator central para o preço: o arranjo corrupto que a Braskem fechou com funcionários da Petrobras que subornava", escreveu Engelmayer. Engelmayer rejeitou as alegações de que a Braskem exagerou sua ética e controles corporativos nas informações aos órgãos reguladores do mercado. Ele também desconsiderou todas as ações contra a Odebrecht por não possuírem laços suficientes com os Estados Unidos para justificar o processo. O juiz também descartou as queixas contra o antecessor de Fadigas, Bernardo Gradin. O Boilermaker-Blacksmith National Pension Trust de Kansas City, no Kansas, está liderando a ação judicial em nome dos compradores ADRs de 15 de julho de 2010 a 11 de março de 2015. "A questão central do caso são as declarações de preços da nafta, e estou satisfeito por ver que foi mantido", disse o advogado dos investidores Steven Toll em uma entrevista. "O caso vai para a frente." Michael Carlinsky, advogado da Odebrecht, disse estar satisfeito pelo fato de seu cliente ter sido retirado do caso.