Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.123,56
    +42,27 (+0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Brasileiros usam 13% de salário mínimo para comprar botijão de gás

Em 2006, o botijão mais caro encontrado custava na faixa de R$ 300, o que correspondia a 15% do salário mínimo da época. (Getty Images)
Em 2006, o botijão mais caro encontrado custava na faixa de R$ 300, o que correspondia a 15% do salário mínimo da época. (Getty Images)
  • Brasileiros que ganham um salário mínimo usam até 13,2% do valor para comprar gás;

  • Em maio, botijão de 13 kg chegou a custar R$ 160;

  • Percentual é o maior em 16 anos, desde 2006.

Os brasileiros que ganham um salário mínimo (R$ 1.212) comprometeram até 13,2% do valor para comprar um botijão de gás de 13 kg no mês de maio, encontrado pelo preço máximo de R$ 160.

O percentual é o maior atingido em 16 anos. Em 2006, o botijão mais caro encontrado custava na faixa de R$ 300, o que correspondia a 15% do salário mínimo da época.

As informações são de um levantamento do UOL, feito com base nas informações divulgadas pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) e pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

Preço pela metade nunca foi atingido

Em 2019, o ministro da Economia, Paulo Guedes, prometeu que cortaria o preço do botijão pela metade. Entretanto, os valores praticados já acumulam alta de mais de 60%.

"O 'choque de energia barata' prometido por Guedes em 2019 não tem uma resposta rápida. O principal erro do governo foi não se dar conta de que mudanças estruturais têm um efeito no tempo da infraestrutura, que é um tempo longo. Em um país desburocratizado, esse tempo é de quatro, cinco anos. No Brasil é bem mais", explicou Sérgio Bandeira de Mello, presidente do Sindigás (Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de GLP), ao UOL.

Soma-se a isso a falta de aumento real do salário mínimo. Desde que Jair Bolsonaro passou a ocupar a presidência do Brasil, o cálculo levou em consideração somente a inflação, sem considerar as variações do PIB (Produto Interno Bruto). Dessa forma, o piso não sobe acima da alta dos preços há três anos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos