Mercado abrirá em 6 h 7 min

Brasileiros são os que mais acreditam em fake news no mundo, diz pesquisa

Rui Maciel

Os brasileiros são os que mais acreditam em fake news e, as brasileiras, são as principais vítimas na disseminação de informações e notícias falsas nas redes sociais. As informações foram apresentadas na última terça-feira (26), durante audiência pública na Comissão de Defesa da Mulher da Câmara dos Deputados, que reuniu especialistas sobre o assunto.

Um levantamento da Avaaz, plataforma de mobilização online, revelou que os brasileiros são os que mais acreditam em fake news no mundo. Segundo a plataforma, 7 em cada 10 brasileiros se informam pelas redes sociais e 62% já acreditaram em alguma notícia falsa.

Representante da Avaaz, Carolina Venuto salientou a ameaça que a desinformação representa para a democracia.

“Quando a gente pensa em desinformação, a primeira coisa que vem à cabeça é a eleição, né? A gente acaba sendo bombardeada com fake news nos períodos eleitorais, não só a gente como o restante do mundo. Mas hoje, a Avaaz já colheu informações que dão conta que as fake news têm prejudicado, inclusive, a saúde e segurança do cidadão, como no caso das vacinas. O aumento do número de pessoas que deixaram de vacinar por conta de uma desinformação tem crescido significativamente. Além de pessoas que foram linchadas, morreram ou foram agredidas por conta de uma desinformação”, disse.

Mulheres são as maiores vítimas de fake news

Segundo a presidente do Instituto Palavra Aberta e integrante do Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional, Patricia Blanco, as mulheres são as principais vítimas de ameaças, de conteúdos violentos e de xingamentos publicados na internet.

“No ambiente em que a gente vive em que se busca igualdade, onde se busca a participação da mulher cada vez mais ativa em todas as áreas, é impressionante que ainda haja, que ainda aconteçam casos de violência tão graves quantos esses que a gente vem sofrendo e que muitas vezes levam até à morte”, disse.

Autora do pedido para a realização da audiência, a deputada Sâmia Bomfim (Psol-SP) destacou que as plataformas online poderiam colaborar para evitar a disseminação de conteúdo falso.

“Seria possível que as plataformas criassem algumas formas de identificação de onde surgiram essas informações e mecanismos mais imediatos para a retirada do ar desse conteúdo. Então, muitas vezes, elas já criaram, por exemplo, o conteúdo de nudez, o conteúdo de violência explícita. É muito rápido a forma de apagar e de surgir essa mensagem para o usuário. Então quando tem algum tipo de desinformação, eu acho que também seria possível (que as plataformas apagassem)”, observou.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: