Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.263,19
    -1.189,99 (-5,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Brasileiros pegam empréstimo para pagar contas básicas

·1 min de leitura

 

Pesquisa aponta prática frequente entre 3 em cada 10 brasileiros. (Getty Imagens)
Pesquisa aponta prática frequente entre 3 em cada 10 brasileiros. (Getty Imagens)
  • Pesquisa aponta perfil dos brasileiros que buscam empréstimo como paliativo para as contas mensais

  • Resultado reflete o alto desemprego no país

  • Entre julho e setembro de 2021 o Brasil registrou 13,5 milhões de desempregados

O aplicativo de crédito, Jeitto, aponta que 35% dos brasileiros contratam empréstimos para honrar suas contas mensais como água, luz e internet.

Os brasileiros que optam por esta saída para manter seus serviços básicos tem renda entre R$ 1.300 e R$ 2.3000, 41% tem o ensino fundamental completo e 12% tem o ensino superior completo e faixa etária entre 25 e 44 anos.

Leia também:

O fundador do Jeitto, Carlos Barros, aponta interpreta este perfil como pessoas em começo de vida adulta que buscam equilibrar as finanças pessoas. Como saída Barros indica a educação financeira para auxiliar os jovens a lidar com contas a pagar e valores a receber.

Impacto das Dívidas

De acordo com pesquisa da Serasa, apresentada pelo programa televisivo Fantástico, 75% das famílias brasileiras possuem algum tipo de dívida. Seja empréstimo, contas atrasadas ou boletos em aberto.

Em média, as dívidas giram em torno de R$ 4 mil.

O valor em aberto traz preocupações para as pessoas. Segundo a Serasa, 88% dos entrevistados dizem sentir vergonha da situação, 64% afirmam que dívidas atrapalham o relacionamento com familiares.

O alto número de endividados se explica por por conta do índice de 12,6% de brasileiros desempregados, de acordo com PNAD Contínua - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua feita pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

No terceiro trimestre de 2021, 13,5 milhões de pessoas estão desocupadas e 5,1 milhões desistiram de procurar emprego.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos