Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.789,33
    +556,59 (+0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,03
    +900,05 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,56
    +1,16 (+1,03%)
     
  • OURO

    1.810,00
    -8,90 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    30.196,25
    +214,32 (+0,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    679,54
    +436,86 (+180,01%)
     
  • S&P500

    4.088,85
    +80,84 (+2,02%)
     
  • DOW JONES

    32.654,59
    +431,17 (+1,34%)
     
  • FTSE

    7.518,35
    +53,55 (+0,72%)
     
  • HANG SENG

    20.445,90
    -156,62 (-0,76%)
     
  • NIKKEI

    26.851,15
    +191,40 (+0,72%)
     
  • NASDAQ

    12.539,25
    -21,00 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2043
    -0,0061 (-0,12%)
     

Brasileiros mais pobres sofrem com inflação 20% maior que os mais ricos

·2 min de leitura
Paraisópolis
Dados comparam quem ganha até R$ 1, 8 mil mensais com quem recebe mais de R$ 17,7 mil por mês
  • Brasileiros mais pobres sofrem com inflação 20% maior que os mais ricos

  • Dados são referentes ao mês de setembro

  • Enquanto preço da luz, gás e alimento impacta os mais pobres, alta na gasolina, transporte por app e passagens aéreas pesa no bolso dos mais ricos

O aumento de preços na conta de luz, botijão de gás, artigos de limpeza e alimentos fez com que a população mais pobre encarrasse uma inflação 20% maior do que a parcela mais rica. Os dados foram divulgados hoje (15) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Leia também:

O índice de inflação para os brasileiros com renda domiciliar menor que R$ 1.808,79 mensais passou para 1,3% em setembro. Já para quem recebe mais que R$ 17.764,49 por mês, a inflação ficou em 1,09%.

Abaixo, a relação entre renda e inflação no mês de setembro:

  • Renda muito baixa – 1,3%

  • Renda baixa - 1,2%

  • Renda média baixa - 1,21%

  • Renda média – 1,13%

  • Renda média alta - 1,04%

  • Renda alta – 1,09%

Brasileiros mais pobres sofrem com alta em itens básicos

Outro ponto que chama a atenção nos dados do IPEA é o que exerceu maior pressão inflacionaria para as famílias no último mês.

Nos três grupos de renda baixa, pesaram os reajustes na energia elétrica (6,5% a mais), no botijão de gás (3,9%) e artigos de limpeza (1,1%). Os alimentos também foram enquadrados entre os motivos, com alta puxada pelas frutas (5,4%), aves e ovos (4%) e leites e derivados (1,6%).

Já para os três grupos de renda mais alta, os motivos foram outros. O que mais impactou foi o preço da gasolina (2,3% maior), das passagens aéreas (28,2%) e dos transportes por aplicativo (9,2%).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos