Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.791,49
    +1.655,39 (+2,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Brasileiros já podem fazer reservas para testar a internet Starlink, da SpaceX

Danielle Cassita
·2 minuto de leitura

No início de fevereiro, a SpaceX ampliou a fase de testes beta de sua internet Starlink, abrindo a possibilidade de pessoas ao redor do mundo fazerem a reserva para tal, assim que a oferta começar em suas regiões, e precisando pagar uma taxa de U$ 99 para garantir seu lugar na fila. Até então, este serviço estava restrito aos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, mas interessados no Brasil começaram agora a receber notificações de que já podem fazer o pedido — e o Canaltech já se inscreveu para ser um dos primeiros da fila de acesso à conexão de Elon Musk.

Essa novidade vem em meio a uma expansão dos testes beta da rede, como uma forma de dar prioridade aos clientes que pagarem a taxa de US$ 99 quando o serviço estiver liberado em suas regiões. Para se inscrever, os interessados precisam acessar o site do projeto Starlink e inserir seu e-mail e endereço de onde o serviço será utilizado.

Aviso da disponibilidade da reserva antecipada no Brasil (Imagem: Canaltech)
Aviso da disponibilidade da reserva antecipada no Brasil (Imagem: Canaltech)

Ao realizar a inscrição, o Canaltech recebeu um e-mail de confirmação, cujas informações mostram que o serviço será disponibilizado no Brasil somente no final de 2021. Após pagar a taxa de U$ 99, um e-mail de confirmação do depósito é recebido. Este valor pode ser reembolsado e deve ser pago além dos custos gerais do serviço — ou seja, ainda será necessário pagar U$ 499 para a adquirir o kit com antena, roteador Wi-Fi, fonte de energia e tripé, além da assinatura mensal que também custa U$ 99.

A SpaceX ressalta que o pagamento da taxa não é uma garantia de receber o serviço na região, já que a oferta local depende de diversos fatores. Um deles, claro, é a liberação do serviço pela Anatel, agência que regula as telecomunicações aqui no Brasil. A empresa precisa receber a autorização do órgão para atuar como uma operadora de internet em nosso país.

E-mail recebido com a confirmação do depósito (Imagem: Canaltech)
E-mail recebido com a confirmação do depósito (Imagem: Canaltech)

O programa beta do Starlink foi iniciado em outubro do ano passado e, até o momento, a SpaceX possui aprovação para operar o serviço de internet nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, pretendendo expandir o serviço para outros países no futuro próximo. Por enquanto, os usuários podem perceber alguma variação na velocidade da rede, que pode oscilar de 50 Mbps a 150 Mbps, mas a conexão deverá ficar cada vez mais estável com o lançamento de novos satélites. A empresa costuma fazer lançamentos periódicos com 60 unidades cada.

Hoje, a SpaceX já conta com mais de mil unidades na órbita da Terra, mas ainda chegará ao total de 30 mil satélites. Quando estiver totalmente operacional, a rede irá fornecer internet banda larga de alta velocidade e baixa latência para todo o mundo, mesmo em regiões remotas ou de difícil acesso.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: