Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,60
    +0,24 (+0,33%)
     
  • OURO

    1.785,30
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    50.577,49
    -112,84 (-0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.325,31
    +20,19 (+1,55%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.865,15
    +4,53 (+0,02%)
     
  • NASDAQ

    16.379,25
    -13,00 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2813
    +0,0072 (+0,11%)
     

Brasileiros estão usando mais o cartão de crédito nos supermercados

·2 min de leitura
  • Brasileiros bateram recorde em valores e em quantidades de transações nos supermercados

  • Inflação de outubro foi a maior desde 2002

  • Itens da cesta básica ficaram mais caros, comprometendo cerca de 60% de um salário mínimo

Neste dia 12 de novembro, dia Nacional dos Supermercados, a Credicard anunciou que os gastos com supermercados lideraram nas despesas do cartão de crédito dos brasileiros. O levantamento foi feito a partir de dados de consumo dos clientes da marca.

Em outubro, mês de maior inflação desde 2002, o valor gasto aumentou 7,5% em relação ao mês anterior, ultrapassando pela primeira vez os níveis registrados antes da pandemia.

Essa quantia representa também um gasto 52% maior nos supermercados do que nas lojas de departamento, que ocupam o segundo lugar.

Leia também:

Não foram só os valores que aumentaram, mas o número de transações também vem aumentando mês a mês. Em relação ao outubro do ano passado, o valor gasto em supermercados cresceu 15,5%, e as relações aumentaram 19%.

O levantamento agrupou em uma mesma categoria os gastos com supermercados, hortifrutis, padarias e docerias realizadas com o cartão da marca.

Os alimentos

O aumento nos valores e no número de transações não vem como uma surpresa, visto que o Brasil bateu recorde de alta de preço da cesta básica. A cesta, que é composta de itens considerado essenciais para uma alimentação familiar, agora chega a custar R$ 700, comprometendo cerca de 58,35% de um salário mínimo.

Segundo o Dieese, Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, a batata, o tomate, o pó de café, o óleo de soja e o açúcar são os alimentos que ficaram mais caros no período entre outubro e novembro.

A inflação

A inflação no país é considerada uma das três piores do mundo, ficando atrás apenas da Turquia e da Argentina. Para Roberto Dumas, professor de economia do Insper "o choque de oferta causado pela pandemia de Covid-19 atingiu o mundo inteiro, mas o Brasil ainda teve a forte desvalorização da sua moeda, um componente a mais para que a inflação acelerasse" disse, em entrevista à CNN.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos