Mercado fechará em 2 h 27 min
  • BOVESPA

    116.034,85
    -99,61 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.809,51
    +379,76 (+0,84%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,49
    +2,86 (+3,42%)
     
  • OURO

    1.731,00
    +29,00 (+1,70%)
     
  • BTC-USD

    19.951,58
    +446,13 (+2,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    453,39
    +7,95 (+1,79%)
     
  • S&P500

    3.767,35
    +88,92 (+2,42%)
     
  • DOW JONES

    30.145,36
    +654,47 (+2,22%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.545,25
    +259,50 (+2,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1824
    +0,1085 (+2,14%)
     

Brasileiros estão comprando mais motos; entenda alguns motivos

O emplacamento de motos cresceu 17,78% de janeiro a agosto (Getty Image)
O emplacamento de motos cresceu 17,78% de janeiro a agosto (Getty Image)
  • O mercado de motocicletas cresceu expressivamente nos últimos anos

  • Em agosto, o Brasil chegou a ter mais motos emplacadas do que carros

  • Veículos de baixa cilindrada foram os mais comercializados no mercado

A aparente recuperação da economia beneficiando diferentes canais. O setor de motocicletas registrou uma das maiores altas em 10 anos impulsionado pela alta no preço dos carros populares e pelo crescimento no segmento do delivery.

Apenas no mês de agosto, agosto, mais de 145 mil motocicletas foram produzidas, um volume 17,9% superior ao registrado no mesmo mês de 2021. Isso representa o melhor resultado para o mês desde 2013.

A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) aponta que, enquanto o emplacamento de motos cresceu 17,78% de janeiro a agosto, o de automóveis caiu 7,04%. Em março, o Brasil chegou a ter mais motos emplacadas do que carros, algo que nunca havia acontecido em 30 anos.

A grande procura pelas motos de baixa cilindrada é uma das evidências da utilização do meio de transporte para entregas de alimentos e outros pedidos. Apenas no mês passado, o emplacamentos de motocicletas desse perfil chegaram a 96.111 unidades, o equivalente a 81,1% do mercado.

Antes da pandemia, o preço médio de um carro popular era R$ 50 mil. Agora, o custo chega a R$ 90 mil, inviabilizando que as camadas menos endinheiradas da sociedade tenha acesso a um veículo novo. O aumento no preço da gasolina, que chegou a R$ 8, também desanimou os condutores que já tinham um automóvel na garagem.

A facilidade para financiar motos foi a razão que faltava para que os motoristas aderissem de vez ao produto. Alguns bancos chegam a parcelar o valor total do item, além de oferecessem juros e vantagens interessantes para quem quer fechar negócio e cair na estrada.