Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,90 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,75 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +0,03 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +11,40 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    19.397,25
    +99,93 (+0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,11 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,38 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    -0,75 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5574
    +0,0518 (+0,94%)
     

Brasileiros deixam de pagar conta de luz para comprar comida

Inflação: brasileiros estão deixando de pagar conta de luz para comprar alimentos. Foto: Getty Images.
Inflação: brasileiros estão deixando de pagar conta de luz para comprar alimentos. Foto: Getty Images.
  • Dívidas não pagas de contas básicas de água e luz foram as que mais aumentaram em abril, representando um crescimento de 7,92% em comparação ao mesmo período em 2021;

  • Já a energia elétrica aumentou 20,52% nos últimos 12 meses até abril, superando a inflação geral de 12,13% do período;

  • O aumento do desemprego e a alta da inflação faz as pessoas direcionarem seus gastos para o consumo básico de alimentos, arriscando ter luz e água cortadas por não pagarem as contas.

As dívidas não pagas de contas básicas de água e luz foram as que mais aumentaram em abril, representando um crescimento de 7,92% em comparação à mesma data de 2021, segundo levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Enquanto isso, a energia elétrica aumentou 20,52% nos últimos 12 meses até abril, superando a inflação geral de 12,13% desse período.

Leia também:

A coordenadora financeira da CDNL, Merula Borges, afirma que "o aumento da inadimplência de contas de água e luz retrata a situação do País".

O aumento do desemprego e a alta da inflação faz as pessoas direcionarem seus gastos para o consumo básico de alimentos, arriscando ter luz e água cortadas por não pagarem as contas.

Borges diz que, no passado, o crescimento da inadimplência de contas básicas se mantinha entre 2% e 3%.

Retrato do brasileiro

Viviane da Silva Rocha, de 36 anos, é mais uma brasileira que vive nesse cenário de incertezas. Em fevereiro deste ano, ela, que tem um filho de seis anos, e está desempregada há quatro meses, teve de escolher entre pagar a conta de luz e fazer as compras no supermercado. Viviane escolheu a segunda opção.

Desde a sua demissão de uma empresa de serviço de limpeza, ela sobrevive com o seguro-desemprego de R$ 1,2 mil e afirma ter sido a primeira vez que ficou inadimplente com o pagamento da conta de luz.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos