Mercado abrirá em 6 h 7 min
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,63
    +0,65 (+0,81%)
     
  • OURO

    1.820,80
    +11,20 (+0,62%)
     
  • BTC-USD

    17.317,72
    +292,64 (+1,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    410,33
    +8,91 (+2,22%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    19.331,03
    +655,68 (+3,51%)
     
  • NIKKEI

    27.790,68
    +12,78 (+0,05%)
     
  • NASDAQ

    11.992,50
    -17,75 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5172
    +0,0232 (+0,42%)
     

Brasileiros ainda emitem pelo menos 17 milhões de cheques por mês

Em julho, uma pesquisa feita pelo Banco Central a pedido do Estadão, comprovou que foram compensados 219 milhões de cheques em 2021, contra 287 milhões em 2020 (Getty Creative)
Em julho, uma pesquisa feita pelo Banco Central a pedido do Estadão, comprovou que foram compensados 219 milhões de cheques em 2021, contra 287 milhões em 2020 (Getty Creative)
  • Compe apontou que 17 milhões de cheques são emitidos mensalmente no país;

  • Diretor da Febraban declarou que apesar do número alto, a tendência em emitir cheques é diminuir;

  • Até maio deste ano, já haviam sido 76 milhões de folhas emitidas.

Apesar das facilidades trazidas pelo cartão de crédito e pelo Pix, o talão de cheque ainda tem muitos adeptos. Uma pesquisa da Compe — Serviço de Compensação de Cheques apontou que 17 milhões de cheques são emitidos mensalmente no país. As informações são do jornal Extra.

Em julho, uma pesquisa feita pelo Banco Central a pedido do Estadão, comprovou que foram compensados 219 milhões de cheques em 2021, contra 287 milhões em 2020. Até maio deste ano, já haviam sido 76 milhões de folhas emitidas.

À reportagem do Extra, o diretor adjunto de Serviços da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), Walter Faria, declarou que apesar do número alto, a tendência em emitir cheques é diminuir.

"O cliente bancário tem deixado, cada vez mais, de usar cheques e optado por outros meios de pagamento, em especial os canais digitais, que hoje são responsáveis por 70% das operações bancárias no país. E a crescente digitalização do cliente bancário foi impulsionada, também, pela entrada em funcionamento do Pix, em novembro de 2020. Só neste primeiro semestre, foram feitas 9,74 bilhões de transações totalizando R$ 4,66 trilhões".

Para o professor da Escola de Economia da FGV, Joelson Sampaio, o meio de pagamento permite ao comerciante a programação e pagamentos.

"Isso os ajuda no controle financeiro de seus negócios. Isso ajuda a explicar o porquê de o cheque ainda ser muito utilizado, apesar do avanço dos cartões e do Pix", afirma.