Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,56
    +0,99 (+0,90%)
     
  • OURO

    1.825,20
    +0,40 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    20.834,19
    -242,58 (-1,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    454,36
    -7,43 (-1,61%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.881,80
    +10,53 (+0,04%)
     
  • NASDAQ

    12.085,00
    +44,50 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5281
    -0,0160 (-0,29%)
     

Brasileiro se informa mais pelo YouTube do que pelo WhatsApp, aponta pesquisa

Um pesquisa feita pelo Reuters Institute apontou o YouTube como a rede social mais usada no Brasil para consumir notícias e informação. A plataforma está à frente de outras ferramentas como o WhatsApp (que não é bem uma rede social), Instagram, Twitter e outras.

O serviço de vídeos sob demanda é a principal fonte de notícias para 43% dos entrevistados, contra apenas 41% do "Zap". Esses números são reveladores, porque mostram como o apelo audiovisual ainda é mais atrativo do que o texto lido para a maioria.

As pessoas usam mais o YouTube para se informar do que o WhatsApp e redes sociais (Imagem: NordWood Themes/Unsplash)
As pessoas usam mais o YouTube para se informar do que o WhatsApp e redes sociais (Imagem: NordWood Themes/Unsplash)

O ranking tem o Facebook na terceira colocação com 40% das menções — a rede de Mark Zuckerberg havia sido a primeira na pesquisa de 2021 —, seguido por Instagram (35%) e Twitter (13%). A novidade na lista é o aparecimento do TikTok, com 12% dos usuários que se informam com os vídeos curtos.

Rival do WhatsApp, o Telegram é o favorito de apenas 9% dos ouvidos. A ferramenta de bate-papo é considerada uma importante central para compartilhar notícias e debater sobre assuntos.

Ferramentas de chat podem não ser a favorita para se informar porque elas apenas direcionam links. Por isso, muita gente tem a percepção de consumir conteúdos de outras mídias, quando, na verdade, ficaram sabendo de algo pelo mensageiro.

Redes sociais x sites noticiosos

Se antigamente a mídia detinha o monopólio da palavra, hoje as redes sociais servem como uma alternativa à imprensa. A pesquisa da Reuters descobriu que 64% dos brasileiros buscam os posts para se informar. Esses dado é superior à TV, (55%) e está muito à frente dos veículos impressos tradicionais (12%).

A TV já chegou atingir 75% de uso informativo pelos usuários, mas agora está no patamar mais baixo desde 2013. Os sites online tiveram uma ligeira queda: de 90% em 2013 para 83% em 2022. A mídia impressa despencou e continua em queda livre na última década — passou de 50% para apenas 12%.

A pesquisa entrevistou 2.022 brasileiros entre janeiro e março de 2022. Para levantar dados por aqui, foi feita parceria com a YouGov, uma empresa líder no mercado em pesquisas no setor de internet.

O levantamento reforça um dado apresentado pelo Google na semana passada sobre o uso do YouTube. Durante o evento Google for Brasil, a companhia mostrou que a ferramenta de vídeos é a segunda mais usada no mundo para tirar dúvidas sobre assuntos gerais, atrás apenas do mecanismo de busca original. Parece que além de tirar dúvidas, as pessoas também usam o YT para saber o que está ocorrendo no Brasil e no mundo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos