Brasileiro “Levante” fica de fora da premiação da Semana da Crítica, mas ainda concorre ao Caméra d’Or de Cannes

© Divulgação

O filme “Levante” de Lillah Halla foi um dos sete concorrentes selecionados na competição da “Semana da Crítica” de Cannes, mas ficou de fora da premiação, anunciada nesta quarta-feira (24). O grande prêmio da mostra paralela recompensou “Tiger Stripes”, da diretora Amanda Nell Eu da Malásia. Mas o longa-metragem de estreia da cineasta brasileira ainda concorre ao prestigioso Caméra d’Or.

"Levante” aborda o dilema de uma jovem jogadora de vôlei que vê a carreira ameaçada por uma gravidez não desejada. A escolha pelo aborto a leva a buscar caminhos clandestinos em um país onde a prática ainda é crime e a sofrer pressões de uma sociedade cada vez mais conservadora.

O direito ao aborto é uma das causas mais antigas do movimento feminista, mas Lillah Halla frisa que “tem cuidado com encaixotar (o filme) num lugar feminista, apesar de acreditar num feminismo que é um transfeminismo. Também é feminista, mas é muito mais. Não são corpos apenas femininos, são corpas. Não é um detalhe. É por isso que eu insisto; é um olhar sobre os direitos reprodutivos e a violência sobre os corpos”.

Como “Levante” é seu longa de estreia, além da Semana da Crítica, ela também concorre ao importante prêmio ”Caméra d’Or”, que recompensa os primeiros filmes selecionados em Cannes, e que será revelado no sábado (26), último dia do festival.


Leia mais em RFI Brasil

Leia também:
“A Flor do Buriti” sobre resistência de indígenas brasileiros tem acolhida calorosa em Cannes
“É muito importante celebrar a democracia”, diz Karim Aïnouz que gritou “viva Lula” em Cannes
“Nós somos a resistência no Brasil”, diz ministra dos Povos Indígenas em Cannes