Mercado abrirá em 42 mins
  • BOVESPA

    111.289,18
    +1.085,18 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.037,05
    -67,35 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,34
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.809,60
    -20,10 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    36.501,02
    -1.364,86 (-3,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    831,79
    -24,02 (-2,81%)
     
  • S&P500

    4.349,93
    -6,52 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.168,09
    -129,61 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.488,38
    +18,60 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    23.807,00
    -482,90 (-1,99%)
     
  • NIKKEI

    26.170,30
    -841,03 (-3,11%)
     
  • NASDAQ

    14.145,75
    -12,75 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0795
    -0,0269 (-0,44%)
     

Brasileiro fatura milhões ao criar máscara que mata variante Delta

·2 min de leitura
Phitta Mask - Divulgação
Phitta Mask - Divulgação
  • Máscara usa ativo Phtalox para neutralizar o vírus

  • Mais produtos estão nos planos da Phitta, como aventais e máscaras PFF2

  • Empresário vê oportunidade de exportação do produto

Sérgio Bertucci é o fundador da Phitta, empresa do ramo têxtil em São Paulo. Durante a pandemia ele viu seu faturamento saltar de R$ 1,2 milhão em 2020 para R$ 30 milhões em 2021, tudo graças a sua mais nova inovação: a Phitta Mask.

Enquanto as máscaras cirúrgicas tradicionais necessitam ser trocadas a cada 2 ou 3 horas, a Phitta Mask pode ser usada por até 12 horas e é extremamente eficaz contra a variante Delta do COVID-19.

“É uma tecnologia brasileira, desenvolvida aqui. Estamos conversando com outros países e vamos começar a exportar”, disse Bertucci à Exame.

Como funciona

O segredo da máscara está no princípio ativo Phtalox, similar a uma "água oxigenada" de modo que ele interage com o oxigênio no tecido e o torna mais reativo. Com isso, o vírus presente na máscara oxida e morre mais rápido.

Em testes realizados pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), a máscara obteve 99% de eficácia na eliminação das variantes Delta, P1 e P2 da COVID-19, além de não ser tóxica para o ser humano. A empresa agora irá realizar testes para verificar a eficácia do produto contra a Ômicron.

Leia também:

Aceitação do mercado

A empresa inclusive já vende o produto através de drogarias, ou direto para empresas, como é o caso da Siemens, Nestlé, Danone, Coca-cola e Goodyear.

Com uma planta com cerca de 3 mil funcionários, a Siemens está economizando cerca de 1 milhão de máscaras descartáveis por ano.

“Depois da parceria, os funcionários da Siemens não precisaram mais se preocupar com a troca de máscara a cada duas horas, que é o protocolo. Com duração de 12 horas de inativação do vírus, os colaboradores conseguem utilizar a máscara da Phitta Mask sem se preocupar com contaminação cruzada durante todo o expediente”, disse Bertucci ao Estado de Minas.

Oportunidades futuras

Agora, a empresa está buscando oportunidades para exportar o produto. Dentre os mercados que a empresa considera prioridade estão a Colômbia, os Emirados Árabes e a Itália.

Além disso, a empresa também se prepara para lançar mais produtos com o Phtalox, como aventais de paramentação e máscaras PFF2.

Hoje, o médico ou enfermeiro precisa trocar de avental a cada paciente atendido. Isso gera uma enorme quantidade de resíduo. Com a nossa tecnologia, ele vai poder usar o mesmo avental por 12 horas, vai ficar protegido e vai gerar economia”, afirmou Bertucci.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos