Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,33
    +0,25 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.775,10
    -8,30 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    34.759,91
    +1.554,32 (+4,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    835,97
    +49,35 (+6,27%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.109,97
    +35,91 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.359,00
    +96,00 (+0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8623
    -0,0662 (-1,12%)
     

Israel x palestinos: brasileiros relatam apreensão em conflito que já matou ao menos 72 pessoas

·6 minuto de leitura
Foguetes sendo lançados de Gaza
Foguetes sendo lançados de Gaza

A tradicional partida de futebol de terça-feira à noite entre imigrantes brasileiros em Ra'anana, em Israel, já havia começado, quando, de repente, o alarme antiaéreo tocou: era o alerta para buscar abrigo imediatamente.  

Em resposta à escalada de violência dos últimos dias, que já deixou dezenas de palestinos e ao menos 7 israelenses mortos, o grupo palestino Hamas, que controla a Faixa de Gaza, vem disparando foguetes em direção a Israel, especialmente contra a região de Tel Aviv, próximo a Ra'anana.

Leia também

"Tudo aconteceu muito rápido, no meio do jogo. Já estávamos jogando havia meia hora. Quando tocou a sirene, corremos em direção ao salão de ginástica do clube, que fica no subsolo, designado como nosso abrigo oficial", diz Uri Blankfeld, organizador da partida, que emigrou de São Paulo para Israel há cinco anos. 

Seguiram-se momentos de angústia e apreensão. 

"Foi uma situação muito inusitada e angustiante, pois não sabíamos o que ia acontecer", lembra Blankfeld. 

"Para muitos, foi a primeira vez que passaram por isso. Ficamos muito assustados, mas estamos bem", acrescenta ele, falando em nome do grupo.

Às 3h, quando todos já haviam voltado para casa, a sirene, meio pelo qual o governo israelense alerta à população sobre situações de perigo iminente, tocou mais uma vez.

"Ouvimos barulhos de explosão, quando o escudo antimísseis intercepta os foguetes lançados pelo Hamas", diz Blankfeld em alusão ao grupo extremista que governa a Faixa de Gaza.

"Tivemos que nos refugiar no quarto de segurança aqui em casa", acrescenta a carioca Tatiana Fajngold, que também mora em Ra'anana. Ela é casada e tem um filho de 12 anos.

"Este cômodo tem uma estrutura reforçada de ferro fundido para nos proteger de ataque e estilhaços", acrescenta.

Tatiana trabalha como psicóloga educacional na prefeitura de Hod Hasharon, cidade próxima Ra'anana. Ela fez um post no Facebook para dar dicas aos pais sobre como devem abordar com os filhos o estresse causado por situações como essas.   

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"Muitos brasileiros que vieram para cá não estão acostumados à essa realidade. E ficam muito nervosos. Achei importante escrever sobre esse assunto e ajudar os pais a tocar nessas questões com as crianças", diz.

Localizada ao norte de Tel Aviv, Ra'anana é considerada a capital brasileira do país, com cerca de 300 famílias. 

"Ainda não caiu a ficha. Parecia tudo um filme. Ficamos cerca de meia hora no quarto seguro especialmente reforçado para estas situações. Apesar de apavorados por dentro, a missão minha e da minha esposa era agir com tranquilidade e doçura com nossos filhos de 12 e 10 anos", conta o carioca Marcus Gilban, jornalista e coodenador da comunidade de brasileiros, que emigrou com a família há quase 5 anos.

"Pela manhã, as escolas cancelaram aulas presenciais e usaram Zoom. Incrível a preparação dos professores para lidar com a situação. As crianças foram estimuladas a abrir o coração e colocar tudo para fora. Quando a professora da minha filha pediu para ela escolher entre quatro imagens a que mais representava o sentimento dela, ela escolheu um céu azul, a mais linda de todas. Foi quando eu e minha mulher tivemos a certeza de que fizemos um bom trabalho durante aquele momento tão assustador", acrescenta ele.

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram o céu de Tel Aviv iluminado de madrugada pelas explosões das interceptações dos foguetes pelo Domo de Ferro, sistema de defesa antiaérea de Israel. 

Em um conflito que mistura política e religião, civis, tanto israelenses quanto palestinos, pagam o preço em meio à escalada de tensão, alguns com a própria vida.

Até a noite desta quarta-feira (12/5), pelo menos 72 pessoas tinham morrido nos conflitos, 65 em Gaza e 7 em Israel. 

Do lado israelense, dois dos mortos, um pai e sua filha, Khalil e Nadine Awaad, eram árabes de um vilarejo em Lod, cidade na região central do país.  

"Não temos para onde ir. Não temos um abrigo antibomba aqui para todos. Para os trabalhadores tailandeses, eles construíram abrigos, mas não nos foi permitido porque não somos humanos. Nadine e Khalil estavam no meio do café da manhã antes do jejum. Parece que ele abriu a porta e foi assim que foi atingido", disse um parente ao jornal israelense Haaretz.

Os militares israelenses aumentaram a presença ao longo da fronteira. As autoridades pediram aos moradores que permanecessem em casa e perto dos abrigos antibomba até novo aviso. Conflitos violentos entre a polícia e os manifestantes se espalharam pelas cidades árabes dentro de Israel.

Depois de disparar foguetes desde segunda-feira à noite, uma torre residencial de 13 andares na Faixa de Gaza foi atingida por um ataque aéreo israelense na noite de terça-feira e logo depois desmoronou. O prédio era usado pela liderança política do Hamas, informaram as Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês).

Ataque de Israel a Gaza
Israel lançou ataque aéreo contra Gaza após lançamento de foguetes pelo Hamas

Os moradores do prédio e as pessoas que vivem nas proximidades foram avisados para evacuar a área cerca de uma hora antes do ataque aéreo, disseram testemunhas.

enfrentamientos
As tensões vêm aumentando há semanas

Escalada

O chefe das Forças Armadas de Israel, Aviv Kochavi, disse que todas as unidades da IDF devem se preparar para uma "campanha mais ampla de duração indefinida". 

Ele ordenou que ofensiva continue contra as instalações do Hamas e da Jihad Islâmica para a fabricação e armazenamento de armas - e alvos adicionais sejam incluídos.

Já o Hamas informou, por meio de um comunicado, que "a resistência à ocupação continuará independentemente da extensão do sacrifício e até que Israel mude suas políticas".

Prédio em chamas desaba atingido por bombas
Bombardeio israelense destruiu uma torre de 12 andares, que abrigava escritórios do grupo Hamas

O grupo extremista disse que responderá com força a cada ataque. 

"Israel planejou atacar as casas de civis inocentes, e o número de vítimas atesta a extensão de seus crimes", acrescentou.

Na terça-feira, a Casa Branca condenou os ataques de foguetes do Hamas e outros grupos contra alvos em Israel e disse que Israel tem o direito legítimo de se defender.

Origem

O lançamento de foguetes aconteceu depois que o Hamas, que governa Gaza, deu um ultimato a Israel exigindo que o país retirasse suas forças de segurança do complexo da Mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém Oriental. O local é considerado sagrado para os muçulmanos.

asentamientos
Os assentamentos israelenses em terras ocupadas pelos palestinos têm aumentado ao longo dos anos

Palestinos atiraram pedras na polícia de choque israelense, que disparou balas de borracha e gás lacrimogêneo. 

Mais de 700 palestinos ficaram feridos. Do lado israelense, 21 policiais, três dos quais necessitaram de tratamento hospitalar.

Esses são os piores confrontos desse tipo em Jerusalém desde 2017, alimentados em grande parte por uma tentativa de colonos judeus de reivindicar a posse de casas de famílias palestinas em Jerusalém Oriental anexada a Israel. Esse imbróglio sobre as casas vem se arrastando há anos na Justiça.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos