Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.325,71
    +2,32 (+0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Brasileiro desconfia de notícias compartilhadas nas redes sociais, diz pesquisa

·3 minuto de leitura

O consumo de notícias pela internet cresceu significativamente na última década, com o Brasil batendo a marca histórica de 122 milhões de pessoas conectadas à rede em 2020. As medidas não farmacológicas para contenção da pandemia (distanciamento e isolamento sociais) fizeram com que o brasileiro explorasse mais a web e, com isso, se apegasse mais a veículos de notícias digitais e serviços de streaming.

Para redes sociais e mensageiros, esse fenômeno não é necessariamente positivo, uma vez que as plataformas não são capazes de conter a proliferação e consumo de notícias falsas. Entretanto, esse não foi o efeito notado em 2021, conforme a pesquisa Reuters Digital News Report, que avalia a mídia e os hábitos da audiência em vários países.

Facebook é a maior fonte de notícias entre as plataformas online; WhatsApp está em segundo, enquanto o YouTube, do Google, está em terceiro (Imagem: Reprodução/Reuters Digital News Report)
Facebook é a maior fonte de notícias entre as plataformas online; WhatsApp está em segundo, enquanto o YouTube, do Google, está em terceiro (Imagem: Reprodução/Reuters Digital News Report)

O uso do computador para acompanhar as notícias continuou em queda por aqui e registra um padrão interessante de acordo com a faixa etária: quanto mais jovem o brasileiro, menor é o seu uso do computador para consumo de notícias. Enquanto o celular se mantém acima dos 70% em absolutamente todas as faixas etárias do estudo (de 18 a mais de 55 anos de idade), o desktop está presente para apenas 20% dos cidadãos que acompanham manchetes online.

O uso do celular para consumo de notícias se manteve acima dos 75% no Brasil, enquanto o computador segue em queda (Imagem: Reprodução/Reuters Digital News Report)
O uso do celular para consumo de notícias se manteve acima dos 75% no Brasil, enquanto o computador segue em queda (Imagem: Reprodução/Reuters Digital News Report)

A confiança com a mídia tradicional

Na internet, o brasileiro está mais apegado às notícias que vêm de fora das redes sociais, encontradas a partir de mecanismos de busca, como o Google. Entretanto, chega a 47% a quantidade de usuários que utiliza mensageiros, redes sociais ou e-mails para compartilhar e consumir notícias.

A confiança na mídia tradicional alcança 54%, enquanto as notícias vindas das redes sociais acumulam apenas 34% (Imagem: Reprodução/Reuters Digital News Report)
A confiança na mídia tradicional alcança 54%, enquanto as notícias vindas das redes sociais acumulam apenas 34% (Imagem: Reprodução/Reuters Digital News Report)

Em contrapartida, 54% dos entrevistados confiam nos veículos tradicionais. Entre os veículos/progranms/canais mais conhecidos, o Jornal do SBT acumula o maior percentual do país, alcançando 67% da confiança dos espectadores. A Globo News, uma das frentes do Grupo Globo, segue com 58% de credibilidade, mas é o maior alvo de desconfiança entre os espectadores — 27% disseram não acreditar na plataforma.

E o paywall?

Alguns dos principais jornais do país com vertentes digitais, como Folha de São Paulo e O Globo adotam o paywall para incentivar a contratação de assinaturas. Porém, apenas 17% dos brasileiros admitem pagar para consumir notícias pela internet.

Isso mostra que, apesar de a internet ser a principal fonte de notícias do país (acima até da televisão), o método de bloquear a leitura não converteu leitores em assinantes. A pesquisa não se aprofundou o bastante para entender quais são os hábitos mais populares para garantir a leitura em veículos que limitam o acesso (mesmo que parcialmente) a quem paga.

Sobre a pesquisa

A Reuters Digital News Report foi uma análise feita em colaboração com a Universidade de Oxford, dos Estados Unidos. O estudo foi elaborado a partir das respostas de um questionário online, disponibilizado para 46 países — 24 deles da Europa, nove da América, 12 da Ásia e três da África.

O estudo avaliou informações precisas sobre os participantes, como sexo, idade, país de origem para avaliar as transformações da mídia e o consumo de conteúdo durante o período de pandemia.

Na análise sobre os resultados, o jornalista Rodrigo Carro comenta que houve uma aceleração generalizada na migração para plataformas digitais. Canais de televisão ainda são a maior força desse segmento, mas agora disputam a atenção dos espectadores com serviços de streaming, que cresceram significativamente enquanto as pessoas passaram mais tempo em casa.

Para você, o consumo de notícias na internet mudou esse período? Quais dispositivos você usa para acompanhar o Canaltech e outros sites informativos? Compartilhe logo abaixo, no campo de comentários.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos