Mercado fechado

Brasileiro cria cabine que inativa o coronavírus em 15 segundos

Melissa Santos
·3 minutos de leitura
Asepsis Machine, uma máquina capaz de desinfetar pessoas, roupas, produtos e equipamentos de forma simples (Foto: Divulgação)
Asepsis Machine, uma máquina capaz de desinfetar pessoas, roupas, produtos e equipamentos de forma simples (Foto: Divulgação)

Após a avó de sua esposa falecer durante a pandemia, o engenheiro Alaor Ferreira da Cruz Junior foi invadido por tristeza e sensação de impotência. Foi o que o motivou a pesquisar algum maquinário ou aparelho que inativa o coronavírus. Após não ter encontrado nada semelhante, ele, resolveu desenvolver a Asepsis Machine, uma máquina capaz de desinfetar pessoas, roupas, produtos e equipamentos de forma simples.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

O engenheiro, que também é diretor da startup Via Parthenon, começou a pesquisar os tipos de materiais que poderia usar e contou com o apoio do irmão, que é engenheiro mecatrônico, para montar o software do protótipo. "Trabalhamos 20 dias sem parar para conseguir desenvolver o equipamento e investimos cerca de R$ 128 mil na construção", fala.

Leia também

Após a produção, a maior prova de fogo foram os testes para entender se, de fato, a cabine seria capaz de inativar o coronavírus. "Fiz uma série de testes em laboratórios de Goiânia e fui até Campinas com a máquina para o teste no Laboratório de Virologia do Instituto de Biologia da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), que é referência no país”, conta.

No laudo, uma boa notícia: em 15 segundos dentro da cabine da Asepsis Machine, o vírus ficava inativo em 99,99%. Com um detector, ela identifica quando o indivíduo está dentro, fecha as portas e inicia o processo de lançamento de jatos do produto de desinfecção, por 60 micropontos, para promover rapidamente a esterilização do que estiver em seu interior.

A máquina é indicada para empresas, estabelecimentos comerciais, espaços como estádios, shoppings, bares, restaurantes, academias, além de ambientes hospitalares, e só necessita de uma tomada para funcionar.

“Não importa onde estiver o vírus, seja no pé, tronco ou cabeça, a máquina é capaz de atingir toda região que estiver dentro da cabine. O produto sanitizante é testado e aprovado para uso. E a pessoa fica apenas 15 segundos em volta dessa névoa –sem se molhar—e pode ir trabalhar com tranquilidade”, afirma o empreendedor.

O produto também passou por testes no Hospital Santa Casa de Misericórdia em Goiânia (GO), para desinfecção das equipes de médicos e enfermeiros e Junior quer que o aparelho esteja cada vez mais disponível aos profissionais da saúde e à população.

“Tenho muito orgulho de ter criado a máquina e todas estão funcionando perfeitamente. Mas infelizmente só as empresas com recurso que tem me procurado, como hospitais grandes e shoppings. Um respirador custa R$ 55 mil e o nosso equipamento custa R$ 30 mil. Quero que a minha invenção possa chegar cada vez mais em quem precisa”, afirma.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube