Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,05
    +0,09 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.769,90
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    64.113,56
    +2.406,75 (+3,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.481,22
    +17,87 (+1,22%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    +190,06 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.400,25
    +1,75 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5078
    +0,1163 (+1,82%)
     

Brasileira de 18 anos descobre asteroide em projeto de ciência cidadã da NASA

·2 minuto de leitura

Em agosto deste ano, Laysa Peixoto Sena Lage, uma mineira de 18 anos, descobriu um asteroide como parte um projeto de “caça asteroides” da NASA em parceria com a International Astronomical Search Collaboration (IASC). Laysa, estudante de física na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), batizou temporariamente o objeto espacial como LPS 003 — em referência às iniciais de seu nome.

A NASA conduz projetos de pesquisa que envolvem a participação dos chamados cientistas cidadãos, quando pessoas sem formação profissional contribuem para o avanço de estudos científicos. Em entrevista ao G1, Lage, que cursa o segundo período de física na UFMG, relata que se interessou pelo tema no início de 2020 quando viu no site da agência espacial norte-americana a campanha de “caça asteroide”.

(Imagem: Reprodução/Arquivo Pessoal)
(Imagem: Reprodução/Arquivo Pessoal)

Em sua caça, a estudante analisa uma série imagens obtidas a partir do Panoramic Survey Telescope and Rapid Response System (Pan-STARRS), um telescópio operado pelo Instituto de Astronomia do Havaí. “Analiso pixel por pixel da imagem, percebo algumas características e valores. Aí fui enviando relatório para eles”, acrescenta.

Após um tempo, a equipe do projeto confirmou a descoberta de Lage, que recebeu temporariamente um nome com suas iniciais, além de um certificado oficializando a novidade. Para ela, que a vida inteira estudou em escola pública e sempre foi apaixonada pelo espaço, a experiência de contribuir dessa maneira com a ciência é a realização de um sonho. “Então, independentemente de onde a pessoa estudou, ela pode realizar sonhos e conseguir o que quiser", ressalta Lage.

A jovem, que mora em Contagem, Região Metropolitana de Belo Horizonte, faz parte do Observatório Astronômico da UFMG e pretende realizar outro curso disponibilizado pela NASA — o Advance Space Academy — e analisar estrelas à procura de exoplanetas ao redor delas. Em 2020, Laysa foi medalhista de prata na 23ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, além de ter o título de bronze na Competição Internacional de Astronomia e Astrofísica.

Em seu Instagram, a estudante de física compartilha sua descoberta alegando que, em breve, poderá nomear formalmente o “seu” asteroide. “É uma honra fazer parte dessa busca por mais conhecimento sobre o Cosmos, especificamente sobre os objetos do Sistema Solar”, aponta. Este é mais um belo exemplo da importância dos projetos de ciência cidadã, que, além de contribuírem para o desenvolvimento da ciência, inspiram muitos jovens a se envolverem nas áreas de ciência e tecnologia.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos