Mercado abrirá em 1 h 1 min
  • BOVESPA

    106.373,87
    -553,92 (-0,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.973,27
    +228,35 (+0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,35
    +1,53 (+1,83%)
     
  • OURO

    1.809,70
    -6,80 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    41.972,18
    -852,49 (-1,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.005,00
    -20,73 (-2,02%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.554,14
    -57,09 (-0,75%)
     
  • HANG SENG

    24.112,78
    -105,25 (-0,43%)
     
  • NIKKEI

    28.257,25
    -76,27 (-0,27%)
     
  • NASDAQ

    15.309,25
    -286,50 (-1,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2938
    0,0000 (0,00%)
     

Brasil vai aplicar uma quarta dose da vacina anticovid aos imunossuprimidos

·2 min de leitura
Frascos de vacina contra a covid-19 (AFP/HAZEM BADER)

Os imunossuprimidos poderão receber a quarta dose da vacina anticovid no Brasil, quatro meses após a aplicação da terceira, anunciou o Ministério da Saúde nesta segunda-feira (20).

O ministério recomendou em nota “uma dose de reforço da vacina covid-19 para todos os indivíduos imunocomprometidos acima de 18 anos que receberam três doses no esquema primário (...) a partir de quatro meses” após a última.

A medida diz respeito principalmente a pessoas com imunodeficiências graves, como portadores de HIV ou pacientes com câncer em quimioterapia.

O ministério informou ainda que planeja reduzir o intervalo entre a segunda e a terceira doses de cinco para quatro meses para a população em geral.

O governo também anunciou nesta segunda-feira a doação de 10 milhões de doses de vacinas para países vulneráveis, por meio do sistema Covax da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O ministério garantiu que esta doação "não comprometerá o plano de vacinação" da população do país.

A vacinação no Brasil se acelerou nos últimos meses. Até agora, mais de dois terços da população já recebeu pelo menos duas doses dos imunizantes.

Mas a campanha de imunização teve um início caótico e tardio, em meio a ataques às vacinas de parte do presidente Jair Bolsonaro.

Bolsonaro, que se recusa a se vacinar, criticou nos últimos dias a decisão da agência reguladora, a Anvisa, de autorizar a vacinação de crianças entre 5 e 11 anos.

Durante sua live semanal, transmitida pelo Facebook, o presidente solicitou a publicação dos nomes dos membros da Anvisa responsáveis pela autorização.

Uma associação que representa os funcionários da agência denunciou os "métodos fascistas" do presidente Bolsonaro e a direção da reguladora pediu proteção à Polícia Federal para seu pessoal no domingo, após ter "recebido ameaças de violência".

Veículos de imprensa brasileiros reportaram que a Polícia Federal iniciou uma investigação na quarta-feira após novas ameaças de morte contra membros da Anvisa, antes que estas intimidações se multiplicassem após a aprovação das vacinas contra a covid-19 para crianças.

Segundo a CNN Brasil, apenas uma das cinco diretorias recebeu mais de 130 ameaças desde a sexta-feira passada.

A covid-19 já causou mais de 617.000 mortes no Brasil, o segundo país com mais mortes no mundo em números absolutos, depois dos Estados Unidos.

lg/mls/app/ap/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos