Mercado fechará em 1 h 51 min
  • BOVESPA

    95.516,03
    +147,27 (+0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.928,65
    -465,06 (-1,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,75
    -1,64 (-4,39%)
     
  • OURO

    1.868,90
    -10,30 (-0,55%)
     
  • BTC-USD

    13.520,98
    +365,61 (+2,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    266,04
    +23,37 (+9,63%)
     
  • S&P500

    3.296,54
    +25,51 (+0,78%)
     
  • DOW JONES

    26.548,48
    +28,53 (+0,11%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.319,25
    +186,50 (+1,68%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7274
    -0,0070 (-0,10%)
     

Brasil vê questões protecionistas da França e desincentivo à proteção ambiental

·3 minutos de leitura
Área de fronteira entre produção agrícola e floresta amazônia em Mato Grosso
Área de fronteira entre produção agrícola e floresta amazônia em Mato Grosso

BRASÍLIA/SÃO PAULO (Reuters) - O Brasil afirmou que um relatório do governo francês sobre o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia revela "reais preocupações" protecionistas daqueles que o encomendaram ao tratar das concessões agrícolas, segundo nota conjunta divulgada pelos ministérios das Relações Exteriores e da Agricultura nesta terça-feira.

A França, um dos maiores produtores agrícolas da União Europeia, tem sido um dos principais desafiantes do acordo com o Mercosul, bloco econômico que tem potências agrícolas como Brasil e Argentina.

Além disso, o país europeu tem expressado preocupações sobre a sustentabilidade ambiental e social da agropecuária brasileira, mas a posição francesa questionando o acordo Mercosul-UE poderia, na verdade, agir como um desincentivo a esforços de proteção ambiental no Brasil, segundo o comunicado do governo brasileiro.

Na última sexta-feira, o governo francês afirmou que um novo relatório sobre o desmatamento no Brasil confirmou sua oposição à versão atual do acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul.

O país europeu, segundo afirmação do gabinete do primeiro-ministro Jean Castex, ainda trabalhará com outros parceiros da UE para definir as condições ambientais necessárias para a retomada das negociações comerciais.

Em resposta, o Brasil afirmou que, em primeiro lugar, o acordo Mercosul-União Europeia "não representa qualquer ameaça ao meio ambiente, à saúde humana e aos direitos sociais".

"Ao contrário, reforça compromissos multilaterais e agrega as melhores práticas na matéria", destacou.

"Causa estranheza... que o relatório esteja focado em produtos de alta sensibilidade agrícola europeia e valha-se de argumentos não comerciais (como o suposto risco de desflorestamento) para garantir proteção econômica a certos produtores", disse o governo brasileiro em comunicado.

O relatório, segundo o governo brasileiro, apresenta argumentos não baseados em critérios técnicos, que sugerem que a entrada em vigor do citado acordo terá impacto ambiental negativo, ao alegadamente ocasionar elevação do desmatamento e pôr em xeque os esforços para combater a mudança do clima ao amparo de acordos internacionais.

O Brasil afirmou que as críticas francesas têm como cerne a relação entre as atividades agropecuárias e o desmatamento, mas que o país é capaz de aumentar a produção de soja, milho e carnes concomitantemente à redução do desflorestamento, utilizando especialmente inovações tecnológicas.

"O Acordo Mercosul-UE reconhece a importante relação entre o desenvolvimento social e econômico e a proteção do meio ambiente, ao dispor... que a liberalização comercial poderá dar contribuição positiva para o desenvolvimento sustentável nos países do Mercosul", disse o governo, acrescentando que os autores do relatório "parecem desconhecer" o sistema de rastreabilidade para exportações de carnes.

As divergências entre Brasil e França ocorrem em momento em que o desmatamento em importantes biomas brasileiros --como Amazônia e Pantanal-- ganha destaque, especialmente diante dos focos de incêndios nas áreas.

Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, até segunda-feira o bioma amazônico havia registrado 71.673 focos de incêndio em 2020, alta de 12% em relação a igual período de 2019, enquanto o Pantanal apurava aumento de 185% no número de focos de queimadas, totalizando 16.119.

O Brasil disse refutar afirmações de que o acordo aumentaria a destruição da floresta amazônica, alegando que o pacto amplia os compromissos de direitos ambiental e comercial para regular fluxos comerciais atuais e futuros e garantir a sustentabilidade.

"A não entrada em vigor do Acordo Mercosul-UE passaria mensagem negativa e estabeleceria claro desincentivo aos esforços do país para fortalecer ainda mais sua legislação ambiental", concluiu o Brasil.

Mercosul e UE chegaram a um acordo comercial em julho de 2019, após mais de uma década de negociações. O pacto, porém, precisa ser ratificado pelos 27 países membros do Parlamento Europeu e pelos Congressos dos quatro membros do Mercosul. Na Europa, além da França, Áustria e Holanda já indicaram que podem não ratificá-lo.

(Por Ricardo Brito e Gabriel Araujo)