Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.780,12
    -891,59 (-1,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Brasil torna-se o 2º país com maior taxa de juros após alta da Selic

·1 minuto de leitura
O anúncio vem na sequência da subida das expectativas de inflação. Foto: Getty Images.
O anúncio vem na sequência da subida das expectativas de inflação. Foto: Getty Images.
  • A taxa básica de juros brasileira subiu para 6,25% ao ano

  • A Rússia estava no 1º lugar, até a decisão de aumento pelo Copom

  • O anúncio vem na sequência da subida das expectativas de inflação

O Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou na última quarta-feira (22) o aumento da Selic, a taxa básica de juros brasileira. É a quinta vez consecutiva que o indicador sobe, tendo triplicado em apenas um semestre.

A decisão da autoridade monetária vem como sinalização ao mercado de que o governo está vigilante com o aumento da inflação. No último mês de agosto, o aumento geral de preços foi o maior para o período desde o ano 2000. A perspectiva é de que a Selic seja elevada a 7,25% ao ano no próximo mês.

Leia também:

A partir do aumento divulgado pelo Copom, o Brasil passa a ser o 2º país em um ranking das 40 maiores taxas de juros — o posto antes era da Rússia. Com o novo número, o investidor recebe 3,34% acima da inflação ao comprar títulos da dívida pública. Em primeiro lugar continua a Turquia, com uma taxa de 4,96% ao ano. Já a Rússia agora passa ao terceiro lugar, com 1,87%.

Ao lado de medidas de estabilidade fiscal, o aumento da taxa básica de juros pode ser vista por investidores estrangeiros como uma possibilidade atrativa. Com a entrada de capital de fora, o Brasil seria capaz de liquidar ao menos parte de sua dívida pública e fazer investimentos públicos na economia real.

As informações são do Exame.com.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos