Mercado abrirá em 2 h 26 min
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,41
    -1,56 (-2,17%)
     
  • OURO

    1.759,50
    +8,10 (+0,46%)
     
  • BTC-USD

    44.762,07
    -3.279,61 (-6,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.122,23
    -103,30 (-8,43%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.848,28
    -115,36 (-1,66%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.165,75
    -160,25 (-1,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1884
    -0,0110 (-0,18%)
     

Brasil tira estudo da gaveta por vitória contra os russos e final no vôlei masculino

·2 minuto de leitura

TÓQUIO, JAPÃO (FOLHAPRESS) - Atual campeã olímpica, a seleção brasileira masculina de vôlei é apontada como uma das principais candidatas a brigar pelo ouro nas Olimpíadas de Tóquio. Porém, para conseguir o bicampeonato consecutivo, terá que superar na semifinal o Comitê Olímpico Russo, que tem se mostrado o seu adversário mais incômodo.

O duelo entre as equipes será na quinta-feira (5), na Ariake Arena, ainda sem horário definido.

"Vamos ter, agora, que tirar o estudo da gaveta e treinar em função do estilo de jogo dos russos", disse o técnico da seleção, Renan Dal Zotto, após a vitória contra o Japão, que garantiu a classificação à semifinal.

"Por causa do saque e do bloqueio dos russos, a gente poderá travar em algum momento da partida, mas não podemos sofrer com algumas dificuldades que virão", completou o técnico.

Pelas quartas de final, o Brasil levou a melhor sobre o Japão por 3 sets a 0, parciais de 25/20, 25/22 e 25/20, na madrugada desta terça-feira (3).

Em seu compromisso pelas quartas de final, o Comitê Olímpico Russo atropelou o Canadá, também por 3 sets 0, parciais de 25/21, 30/28 e 25/22.

Brasil e os russos vão se enfrentar pela terceira vez neste ano, e só os europeus venceram até agora: triunfo pela Liga das Nações, em junho, na Itália, e na fase de grupos dos Jogos de Tóquio, ambos pelo placar de 3 sets a 0.

"Saímos frustrados, sim, porque não conseguimos jogar [contra os russos] como gostaríamos e deveríamos. É um estilo de jogo completamente diferente do Japão, mas na semifinal é preciso deixar tudo na quadra", falou o levantador e capitão Bruninho.

O Brasil tem sucumbido diante do estilo de jogo da equipe europeia. Fortes fisicamentes, são bem eficientes na marcação e no bloqueio, além de incomodarem os adversários com saques potentes.

"Os russos sempre foram bons bloqueadores, agora vai do atacante ter a consciência para buscar opções melhores. Falo por mim, comecei aquele jogo tomando dois bloqueios. É a hora de a cabeça fazer mais diferença que a força", afirmou Lucarelli.

Nos demais confrontos das quartas de final, a Itália mede forças com a Argentina, e a Polônia encara a França.

Contra uma defesa sólida do Japão, o ponta Leal fez a sua melhor apresentação até aqui nas Olimpíadas. Ele e o oposto Wallace marcaram cinco pontos cada no primeiro set. O central Lucão, outro destaque, interceptou Yamauchi e, na sequência, o central Ishikawa mandou a bola para fora: 25 a 20.

No segundo o set, a seleção empatou com Leal em 17 a 17 e passou à frente, com Wallace, pela primeira vez na partical.

Os brasileiros dispararam: 25 a 22. No último set, Lucarelli, Wallace e Leal enfileiraram pontos, o Japão sentiu o golpe e não conseguiu incomodar os brasileiros, que fecharam a vitória.

Ishikawa foi o maior pontuador da partida, com 17 pontos, e Leal finalizou o jogo com 16.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos