Mercado abrirá em 1 h 29 min
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,91 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,73 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,48
    -0,07 (-0,16%)
     
  • OURO

    1.831,30
    +12,40 (+0,68%)
     
  • BTC-USD

    19.090,64
    -81,11 (-0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    374,39
    -5,47 (-1,44%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,32 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.399,97
    +15,24 (+0,24%)
     
  • HANG SENG

    26.532,58
    -35,10 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.800,98
    +13,44 (+0,05%)
     
  • NASDAQ

    12.441,75
    -10,50 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3017
    -0,0053 (-0,08%)
     

Brasil teve 850 mil tentativas de ciberataques no terceiro trimestre de 2020

Ramon de Souza
·2 minuto de leitura

O ano de 2020 ficará marcado não apenas pela pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2), mas também pelo alto número de ataques cibernéticos registrados ao redor do globo. Segundo o mais recente relatório divulgado pela Fortinet, só no Brasil, foram 850 mil tentativas de ciberataques só durante o último trimestre (equivalente aos meses de julho a setembro); se contarmos desde janeiro, o montante sobe para 3,4 bilhões.

Ao contabilizar toda a região da América Latina e países do Caribe, a situação é ainda mais crítica — foram cerca de 20 bilhões de incidentes reportados. O mais preocupante é o fato de que, ao analisar as ameaças mais comuns nessa área, os pesquisadores descobriram um forte uso do backdoor DoublePulsar, que se aproveita de vulnerabilidades antigas e já corrigidas no sistema operacional Windows.

Isso significa que o uso de softwares desatualizados continua sendo uma das principais causas de infecções. “O DoublePulsar é perigoso porque é um vetor de ataque para outros malwares, como o ransomware, que tem estado em muita evidência na região ao atingir especialmente empresas do setor de telecomunicações, serviços financeiros, educação e governo”, explica Alexandre Bonatti, diretor de engenharia da Fortinet Brasil.

De fato, também foi registrado um altíssimo número de ataques de ransomwares — tipo de vírus que sequestra os arquivos do computador da vítima e exige um pagamento como resgate. Geralmente, esses scripts maliciosos chegam ao alvo na forma de phishing, ou seja, emails falsos (atualmente, explorando temas que estão na boca do povo como a pandemia da COVID-19).

<em>Imagem: Reprodução/Fortinet</em>
Imagem: Reprodução/Fortinet

“É por isso que é fundamental manter a higiene digital dos dispositivos instalando as atualizações de segurança fornecidas pelos fabricantes. Também temos que estar cientes que o ransomware chega geralmente na forma de phishing, ou seja, por meio de engenharia social. Nesse caso, a conscientização em segurança cibernética é crítica para evitar que as pessoas abram anexos e links maliciosos”, complementa Alexandre.

Por fim, a Fortinet também alerta para um aumento no número de ataques de força bruta — aqueles nos quais o criminoso tenta invadir uma conta ou sistema usando um código automatizado para “adivinhar” uma combinação de login e senha. Tal método é eficaz para quebrar credenciais fracas e pode ser altamente prejudicial para as empresas que adotaram o home office e estabeleceram servidores remotos acessíveis pelo protocolo RDP.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: