Mercado abrirá em 1 min
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,13
    +1,56 (+1,42%)
     
  • OURO

    1.823,40
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    20.978,23
    -204,87 (-0,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    458,76
    -3,04 (-0,66%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.350,07
    +91,75 (+1,26%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.062,00
    +21,50 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4734
    -0,0707 (-1,28%)
     

Brasil tem títulos mais atrativos da América Latina, diz Pimco

(Bloomberg) -- Pramol Dhawan, da Pacific Investment Management Co., aposta nos títulos em moeda local do Brasil, pois avalia que oferecem a melhor relação risco-retorno na América Latina.

O responsável pela gestão de portfólios de mercados emergentes da Pimco, baseado em Nova York, disse em entrevista que planeja aumentar “gradualmente” a exposição de seus fundos à dívida brasileira.

O país, segundo ele, oferece uma combinação atraente de altos rendimentos e uma moeda que ainda é relativamente barata, apesar da valorização deste ano.

Dhawan disse que os ativos brasileiros vão se sair bem independentemente de quem vença as eleições presidenciais de outubro, porque o país continuará se beneficiando dos altos preços das commodities.

O fato de o Brasil ter começado a elevar as taxas de juros mais cedo do que a maioria das principais economias também ajuda a proteger os ativos domésticos da volatilidade externa e relacionada às eleições, afirmou.

“É altamente improvável que o nível das taxas reais e nominais esteja neste lugar em um ou dois anos”, disse Dhawan. “Um país com as métricas gerais de dívida e PIB do Brasil deve ter uma taxa real de 3,5% a 4%. Uma taxa real de 7% parece um prêmio de risco suficiente para subscrever o risco eleitoral.”

Os rendimentos dos títulos locais do Brasil têm saltado em meio à elevação da taxa Selic pelo Banco Central, que aumentou o juro de referência da mínima recorde de 2% para 12,75% desde março de 2021. O rendimento do título nominal em moeda local, a NTN-F, de 10 anos subiu mais de 220 pontos-base desde o início deste ano, atingindo 13%, o maior nível em seis anos.

Para Dhawan, os títulos soberanos em moeda local são mais atraentes do que os denominados em dólar, pois capturam melhor o ciclo de aperto monetário doméstico. Ele também gosta de dívidas locais vendidas por bancos brasileiros, citando “valuations atraentes” e fortes reservas de capital.

Assim como o Brasil, outros países da América Latina vêm elevando as taxas de juros há muito tempo, tornando a região um destino atraente para o estrangeiro, afirmou Dhawan. Os altos preços das commodities são apenas mais um motivo para os investidores de renda fixa buscarem títulos desses países, segundo ele.

“Você definitivamente tem que escolher seus casos”, disse ele. “Mas os fundamentos reais são particularmente atraentes para a região pela primeira vez em muito tempo.”

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos