Mercado fechará em 2 h 36 min
  • BOVESPA

    109.795,66
    -344,98 (-0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.871,74
    -3,17 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,39
    +0,51 (+0,67%)
     
  • OURO

    1.883,60
    -47,20 (-2,44%)
     
  • BTC-USD

    23.641,38
    -157,43 (-0,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    540,41
    +3,56 (+0,66%)
     
  • S&P500

    4.176,16
    -3,60 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.139,69
    +85,75 (+0,25%)
     
  • FTSE

    7.893,64
    +73,48 (+0,94%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.836,00
    -10,75 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5610
    +0,0713 (+1,30%)
     

Brasil tem superávit comercial recorde de US$62,3 bi em 2022

Navio é carregado em terminal do Porto de Santos

BRASÍLIA (Reuters) - O Brasil registrou um superávit comercial de 4,780 bilhões de dólares em dezembro, acima do esperado, e fechou 2022 com um saldo positivo acumulado de 62,310 bilhões de dólares na balança comercial, recorde para o ano, informou o novo Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços nesta segunda-feira.

O resultado fechado para o ano superou as expectativas mais recentes do governo Jair Bolsonaro, que em outubro havia reduzido para 55,4 bilhões de dólares a projeção para o superávit de 2022, de 81,5 bilhões de dólares estimados antes.

Em nota, o ministério afirmou que a surpresa positiva refletiu principalmente um crescimento maior das exportações, diante de uma queda menor do que esperada dos preços exportados e maior demanda externa.

Os dados divulgados nesta segunda mostram que, no ano, as exportações do país cresceram 19,3% sobre o ano anterior, pela média diária, e somaram 335 bilhões de dólares, maior valor da série histórica, que tem início em 1989. Já as importações saltaram 24,3% e também foram recordes, em 272,7 bilhões de dólares.

As duas pontas da corrente de comércio foram impactadas pelo aumento dos preços, que subiram bem mais do que o volume das transações comerciais --13,6% em média no caso das exportações e 23,4% nas importações.

Em nota, o ministério destacou o impacto do conflito na Ucrânia sobre preços de produtos importantes da pauta de importação do Brasil.

"O conflito no leste europeu trouxe desequilíbrios para o mercado de fertilizantes, o que encareceu a cotação internacional desses produtos e deixou um cenário de incertezas sobre seu fornecimento. Também houve o encarecimento do trigo, já que a Ucrânia é um dos principais produtores mundiais. Além disso, o conflito também impactou o preço de commodities energéticas, como petróleo, combustíveis e gás natural."

A alta dos preços de certas commodities também favoreceu as exportações do país, como no caso da soja, que teve aumento de 20,8% no valor das exportações no ano, para 46,7 bilhões de dólares, com alta de 31,6% nos preços. Os embarques de óleos brutos também foram impulsionados pelo aumento dos preços (+35,7%) e cresceram 39,5% em valor, a 42,7 bilhões de dólares.

Já as exportações do minério de ferro e concentrados caíram 35,3% em valor, para 28,9 bilhões de dólares, com uma queda de 32,8% dos preços no ano, em meio a uma demanda menor da China, cuja economia desacelerou em 2022 com medidas rígidas de controle da Covid-19 que impactaram a atividade.

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços está sendo recriado no governo Lula, assumindo o tratamento das estatísticas comerciais, que no governo anterior ficava sob a alçada do Ministério da Economia. A pasta será comandada pelo vice-presidente Geraldo Alckmin.

DEZEMBRO

O saldo comercial de dezembro superou as expectativas de analistas de um superávit de 3 bilhões de dólares, segundo pesquisa da Reuters.

No mês, as exportações cresceram 14% na comparação pela média diária, para um total de 26,645 bilhões de dólares. Já as importações tiveram alta de 12%, somando 21,866 bilhões de dólares.

(Por Isabel Versiani; edição de Luana Maria Benedito)