Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,05
    -0,10 (-0,16%)
     
  • OURO

    1.736,30
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    62.867,13
    -525,99 (-0,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.366,63
    -9,14 (-0,66%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.682,06
    -218,77 (-0,76%)
     
  • NIKKEI

    29.659,12
    +38,13 (+0,13%)
     
  • NASDAQ

    13.807,75
    +9,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7743
    +0,0014 (+0,02%)
     

Brasil tem que manter âncora fiscal para não virar "eterno mendigo" como Argentina, diz Mourão

·1 minuto de leitura
Vice-presidente Hamilton Mourão

BRASÍLIA (Reuters) - O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou nesta quinta-feira que o Brasil precisa se manter firme à âncora fiscal para não ficar "igual à Argentina, eterno mendigo".

Mourão disse que conversou com o ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre o Orçamento de 2021, e que o Brasil precisa se manter firme dentro do teto de gastos públicos.

"A nossa posição é que nós temos que segurar isso aí. Se quer fazer obra de infraestrutura, alguém vai ter que ceder do outro lado", afirmou Mourão em live promovida pelo XP e o InfoMoney.

O vice-presidente também ressaltou que o Brasil vive atualmente uma "situação inflacionária", e que "tudo indica" que o país vai entrar em um período de aumento de juros para tentar conter a inflação.

(Reportagem de Ricardo Brito)