Mercado abrirá em 8 h 34 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,53
    +0,48 (+0,74%)
     
  • OURO

    1.686,70
    +8,70 (+0,52%)
     
  • BTC-USD

    53.664,61
    +3.160,89 (+6,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.083,40
    +59,20 (+5,78%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.719,13
    +88,61 (+1,34%)
     
  • HANG SENG

    28.924,92
    +384,09 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.038,58
    +295,33 (+1,03%)
     
  • NASDAQ

    12.439,25
    +142,00 (+1,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9718
    +0,0120 (+0,17%)
     

Brasil tem mais um dia acima de mil mortes e com mais de 60 mil casos

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Brasil registrou 1.131 mortes pela Covid-19 e 68.138 casos da doença, nesta sexta-feira (15). Com isso, o país chegou a 208.291 óbitos e a 8.394.253 de pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2. Os dados do país são fruto de colaboração inédita entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais. Além dos dados diários, a Folha de S.Paulo também mostra a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete. De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 964. O valor da média representa um aumento de 37% em relação ao dado de 14 dias atrás. Quase todas as regiões do país apresentam aumento da média móvel de mortes em relação ao dado de 14 dias atrás. Somente o Centro-Oeste (com crescimento de 14%) e o Sul se encontram em situação de estabilidade, o que não signficado um quadro de tranquilidade. A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.