Mercado abrirá em 2 h 41 min
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,80
    -0,35 (-0,55%)
     
  • OURO

    1.747,20
    +10,90 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    62.686,14
    -1.021,73 (-1,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.370,06
    -5,72 (-0,42%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.959,09
    +19,51 (+0,28%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    +21,70 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    13.873,00
    +74,25 (+0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7698
    -0,0031 (-0,05%)
     

Brasil tem mais mortes pela Covid-19 do que todos os países da África

Alma Preta
·3 minuto de leitura
Coveiros enterram corpo de vítima da Covid-19 no Brasil
Enquanto o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking mundial de vidas perdidas, a África do Sul, por exemplo, está em 16º; médica avalia que situação não deve ser muito diferente com o novo e quarto ministro da Saúde. (Foto: Alexandre Schneider/Getty Images)

Texto: Roberta Camargo Edição: Nataly Simões

O Brasil já vacinou 9,7 milhões de pessoas contra a Covid-19, o que corresponde a 4,7% da população. O avanço é pequeno se comparado a posição que o país ocupa no ranking mundial de mortes causadas pela doença, de acordo com dados do Our World in Data até 15 de março, ocupamos o segundo lugar com mais de 278 mil vidas perdidas, atrás apenas dos Estados Unidos, que contabiliza quase o dobro.

A partir da análise do monitor Worldometer, na última semana o Brasil registrou alta na média diária de mortos, enquanto outros países, a exemplo do Reino Unido, Itália e Índia, registraram queda ou estabilidade no número de vítimas do novo coronavírus e suas variantes.

O mesmo acontece com o número de vítimas nos países do continente africano, a África do Sul, por exemplo, está na 16ª posição do ranking, com cerca de 51 mil mortes e pouco mais de 6% da população vacinada. Embora o acesso à vacinação por lá seja um grande problema, de acordo com a OMS, os países estão em uma posição menos crítica que o Brasil.

Segundo a mestre em Patologia Humana, Zezé Menezes, o lugar ocupado pelo Brasil no ranking é consequência da atuação governamental. “A agenda do país não condiz com as condições plenas de respeito às medidas dadas pela ciência. Com a quantidade de pessoas formadas em diversas áreas científicas e que podem monitorar tudo isso a partir do uso da tecnologia, nada disso está sendo usado para controlar a situação que estamos vivendo”, afirma.

“Muito do comportamento que a população vê de ignorar o isolamento social ou o uso de máscara, é reflexo da atitude do nosso chefe de estado e essa é uma atitude criminosa”, acrescenta a médica. Desde o início da pandemia no Brasil, em fevereiro de 2020, o presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) se mostrou contrário às recomendações da Organização Mundial da Saúde, questionou o uso de máscaras e realizou aglomerações registradas pela imprensa.

Brasil mudou de ministro da Saúde quatro vezes

O novo ministro a assumir a pasta da Saúde no governo federal é o médico cardiologista Marcelo Queiroga. Já familiarizado com a família do presidente Bolsonaro, Queiroga disse à imprensa que a equação para resolver a pandemia depende de muitas variantes e que a doença exige tratamento mais especializado.

Queiroga é o quarto ministro à frente da pasta no último ano. Depois de Henrique Mandetta, Nelson Teich, quatro meses sem nenhum responsável oficial no comando e o General Eduardo Pazuello, que teve a saída anunciada na segunda-feira (15). A vida da população negra, quilombola e periférica é considerada como a mais exposta e vulnerável desde o início da pandemia.

Mesmo com a possibilidade de mudança, segundo Zezé, a redução de mortes em decorrência da doença no país não deve diminuir. “É quase impossível que essa agenda seja modificada, já passamos um ano vendo a população morrer e nada foi feito. O governo não tem como objetivo mitigar essa situação de emergência sanitária que estamos vivendo”, conclui a médica.