Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.179,83
    +262,61 (+0,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Brasil tem espaço para novo auxílio emergencial 'bem modesto', diz Fitch

EDUARDO CUCOLO
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A agência de classificação de risco Fitch avalia que a situação fiscal do Brasil é difícil, mas que há espaço para a criação de um novo e "bem modesto" auxílio emergencial. Em evento realizado pela agência nesta quinta-feira (25), Shelly Shetty, diretora da Fitch Ratings para as Américas, afirmou também que ainda é cedo para dizer se a intervenção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Petrobras representa uma mudança na direção da política econômica, mas que a interferência não é um bom sinal para os investidores. Sobre a possibilidade de o país ter uma melhora na sua nota de crédito, a avaliação é que isso dependerá, principalmente, do andamento da agenda de reformas. "Há algum espaço para absorver um pacote de emergência bem modesto. Isso dito, o que vai ser a chave para a classificação futura será a perspectiva de reformas", afirmou Shetty. Em relação ao auxílio emergencial em discussão no Congresso e no Executivo, ela lembrou que ainda não se sabe quais os valores envolvidos, mas que a sinalização é que eles serão bem inferiores aos gastos de 2020, e que não será algo suficiente para causar preocupação em relação à trajetória da dívida pública. Shetty disse que só recentemente, particularmente nesta semana, houve alguma ênfase do governo na agenda de privatizações, com a entrega dos projetos que tratam da Eletrobras e dos Correios ao Congresso, na sequência dos problemas causados pelas mudanças na Petrobras. "Não é um bom sinal", afirmou Shetty ao responder uma série de questões sobre a Petrobras. Para a executiva, o episódio mostrou que o Brasil pode estar propenso a dar um passo para frente e dois para trás. "Se é uma mudança para uma nova direção política, ainda é cedo para dizer", afirmou. "Temos que monitorar os próximos passos."