Mercado abrirá em 9 h 30 min
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,34
    +0,04 (+0,05%)
     
  • OURO

    1.752,20
    +2,40 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    44.556,77
    +510,61 (+1,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.114,14
    +5,22 (+0,47%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.497,98
    -13,00 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    30.200,89
    +561,49 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    15.296,50
    -7,00 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2254
    +0,0004 (+0,01%)
     

Brasil tem déficit em transações correntes de U$1,584 bi em julho, pior que esperado

·2 minuto de leitura
Prédio do Banco Central em Brasília. 29/10/2019. REUTERS/Adriano Machado.

BRASÍLIA (Reuters) - O Brasil registrou déficit em transações correntes de 1,584 bilhão de dólares em julho, interrompendo três meses de resultados superavitários, num dado influenciado pelo aumento das remessas de lucros e dividendos para fora, divulgou o Banco Central nesta quarta-feira.

Com isso, o déficit em transações correntes em 12 meses passou a 1,30% do PIB, frente a 1,26% no acumulado até junho.

O resultado de julho veio pior que a expectativa de analistas em pesquisa Reuters, de um déficit de 650 milhões de dólares, ficando também mais alto que o déficit de 646 milhões de dólares obtido em julho do ano passado. Já os investimentos diretos no país somaram 6,103 bilhões de dólares no mês, acima da projeção de analistas de 4,45 bilhões de dólares.

Para agosto, o BC previu superávit em transações correntes de 1,1 bilhão de dólares e IDP de 5,8 bilhões de dólares.

No acumulado de janeiro a julho, o déficit das transações correntes é de 8,320 bilhões de dólares, abaixo dos 13,907 bilhões de dólares de igual etapa de 2020. Para o consolidado do ano, a expectativa do BC é de um resultado superavitário em 3 bilhões de dólares.

DETALHAMENTO

Em julho, o rombo na conta de renda primária subiu 26,3% sobre igual período de 2020, a 6,769 bilhões de dólares. A alta foi influenciada principalmente pelo avanço das despesas líquidas de lucros e dividendos, que são associadas aos investimentos direto e em carteira e que somaram 3,125 bilhões de dólares, frente a 1,702 bilhão de dólares um ano antes.

O chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, pontuou que a remessa de lucros e dividendos foi bastante impactada durante os momentos mais agudos da pandemia de Covid-19, sendo uma das contas com recuperação mais rápida em meio à retomada econômica.

"(Ela) foi bastante afetada no ano passado pela paralisação da atividade em função da pandemia, pela recessão que afeta lucratividade das empresas, mas nesse ano tem se recuperado de forma bastante significativa", disse.

Enquanto isso, o superávit da balança comercial caiu ligeiramente a 6,271 bilhões de dólares, contra 6,537 bilhões de dólares em julho do ano passado.

Já o déficit na conta de serviços caiu 34,0%, a 1,338 bilhão de dólares.

Dentro dessa linha, as despesas líquidas com viagens internacionais subiram a 229 milhões de dólares, contra apenas 127 milhões de dólares em julho de 2020. Por outro lado, as despesas líquidas de aluguel de equipamentos sofreram queda de 48,4% na mesma base de comparação, a 609 milhões de dólares, afetadas, segundo o BC, pela nacionalização de equipamentos no âmbito do Repetro.

(Por Marcela Ayres)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos