Mercado fechará em 9 mins
  • BOVESPA

    107.627,77
    -1.440,77 (-1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.014,92
    +288,96 (+0,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,13
    +0,12 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.803,40
    +5,40 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    17.192,55
    +377,25 (+2,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,21
    +9,52 (+2,41%)
     
  • S&P500

    3.970,31
    +36,39 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    33.839,98
    +242,06 (+0,72%)
     
  • FTSE

    7.472,17
    -17,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.682,25
    +172,75 (+1,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4985
    +0,0321 (+0,59%)
     

Brasil tem cinco cidades entre as mais caras para se morar na América Latina

Av. Faria Lima, em São Paulo. Cidade está entre as mais caras da América Latina para se morar
Av. Faria Lima, em São Paulo. Cidade está entre as mais caras da América Latina para se morar
  • Custo, felizmente, é inferior ao de muitas outras cidades estrangeiras;

  • Pesquisa foi dividida entre custo de se alugar e de se comprar um imóvel;

  • Capital argentina é a cidade mais cara para se morar, apontou QuintoAndar.

Uma pesquisa realizada pelo QuintoAndar comparou o custo para se morar nas doze cidades mais populosas da América Latina. Averiguados os preços, das dez mais caras do continente, as cidades brasileiras ocupam metade das posições da lista.

Dentre as cidades estrangeiras, a pesquisa levou em consideração os custos de aluguel e compra/venda de imóveis na Cidade do México, Buenos Aires (Argentina), Lima (Peru), Quito (Equador) e Cidade do Panamá. Já no Brasil foram consideradas as seguintes cidades: Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Salvador, Belo Horizonte, Curitiba e Porto Alegre.

Apesar de emplacar cinco das sete cidades analisadas no top 10, uma boa notícia pode ser dada para os cidadãos brasileiros. Acontece que a cidade mais cara do Brasil, a capital Brasília, aparece na quarta posição geral da categoria de compra e venda de imóveis, superada por Buenos Aires, Cidade do México, Cidade do Panamá e Lima, em ordem.

Já quando se fala de alugar, o Brasil também está longe de encabeçar a lista, com Buenos Aires reaparecendo na primeira posição, seguida por Cidade do México, Cidade do Panamá, e só então São Paulo.

"Durante a pandemia, houve uma curiosa combinação de fatores que se traduziu num pequeno boom imobiliário. E é possível perceber que o mercado na América Latina está hoje, em boa parte, aquecido. A Argentina é uma exceção: Buenos Aires vive um cenário de muita oferta e pouca procura. Ainda assim, com a inflação em alta, os preços de imóveis na capital são comparativamente maiores do que os de outras cidades da região", explica Vinicius Oike, economista do QuintoAndar.

Confira a lista abaixo

Compra e venda, pelo valor do m² (em US$)

  1. Buenos Aires - US$ 2479;

  2. Cidade do México - US$ 2200;

  3. Cidade do Panamá - US$ 2129;

  4. Lima - US$ 1883;

  5. Brasília - US$ 1866;

  6. Rio de Janeiro - US$ 1784;

  7. São Paulo - US$ 1725;

  8. Quito - USS$ 1155;

  9. Curitiba - US$ 1144;

  10. Belo Horizonte - US$ 1117;

  11. Salvador - US$ 1112;

  12. Porto Alegre - US$ 990.

Aluguel, pelo valor m² (em US$)

  1. Buenos Aires - US$ 11,8;

  2. Cidade do México - US$ 10,7;

  3. Cidade do Panamá - US$ 10,5;

  4. São Paulo - US$ 8,6;

  5. Lima - US$ 8,4;

  6. Brasília - US$ 6,9;

  7. Quito - US$ 5,7;

  8. Salvador - US$ 5,5;

  9. Rio de Janeiro - US$ 5,1;

  10. Belo Horizonte - US$ 4,9;

  11. Porto Alegre - US$ 4,1;

  12. Curitiba - US$ 3,9.