Mercado abrirá em 6 h 3 min
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,35 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,92
    +0,28 (+0,39%)
     
  • OURO

    1.778,90
    +9,90 (+0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.980,92
    -2.567,06 (-7,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    817,34
    -122,61 (-13,04%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,32 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.435,49
    -365,78 (-1,27%)
     
  • NIKKEI

    28.010,93
    -953,15 (-3,29%)
     
  • NASDAQ

    14.057,50
    +22,50 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0134
    -0,0227 (-0,38%)
     

Brasil tem 435.823 mortos por Covid-19 desde o início da pandemia

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO - Após registrar 971 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, o Brasil acumula 435.823 óbitos pela doença até este domingo (16). Os dados foram reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa formado por O GLOBO, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo, que compila informações divulgadas pelas secretarias estaduais de Saúde.

No último dia, o país teve 34.605 pessoas diagnosticadas com infecção pelo novo coronavírus, totalizando 15.625.218 casos até agora.

A média móvel de sete dias do número diário de mortes no país agora está em 1.915, o que representa queda de 19% nas últimas duas semanas. O único estado com tendência de aumento percentual no número de mortes no período é Roraima (25%).

A média móvel de sete dias se refere aos números de mortes e casos do dia e dos seis anteriores. A medida é comparada com a média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda na epidemia. O cálculo é um recurso para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o "ruído" causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por redução de mão-de-obra.

Das 27 unidades da federação, 17 estão com os números em queda, e outras 9 permaneceram em tendência estável (variação menor de 15% para mais ou para menos).

Levando em conta o número diário de resultados positivos em diagnósticos, a última quinzena teve variação de 5% (tendência de estabilidade) em escala nacional.

O Brasil conseguiu aplicar a primeira dose de vacina contra Covid-19 até agora em 38.756.031 pessoas (18,30% da população), e 19.175.041 já receberam a segunda dose, o que representa uma cobertura vacinal completa de 9,06%.

O três estados que mais avançaram agora em aplicação da primeira dose foram Rio Grande do Sul (23,7%), Mato Grosso do Sul (23,4%) e São Paulo (20,68%). Os que mais estão atrasados na aplicação da vacina são Roraima (11,61%), Acre (11,91%) e Rondônia (12,18%).

Até a manhã deste domingo, o Brasil ocupava o 2º lugar entre os países que mais registraram mortes por Covid-19 até agora, segundo dados do projeto Our World In Data, ligado à Universidade de Oxford. Os cinco países que notificaram mais óbitos desde o início da pandemia são, do primeiro ao quinto, Estados Unidos, Brasil, Índia, México e Reino Unido.

Ao longo dos últimos 7 dias, o Brasil continuou como o 2º país que mais teve mortes pelo coronavírus, com 13.399 registradas no período. Os cinco países com maiores números absolutos em óbitos por Covid-19 nesta semana foram, em ordem, Índia, Brasil, Estados Unidos, Colômbia e Argentina.

O número relativo de pessoas mortas pela doença no país é de 2.045,1 por milhão de habitantes. No grupo de 58 países com mais de 20 milhões de habitantes no mundo, o Brasil ocupa o 2º lugar em mortalidade proporcional por Covid-19. Os países dessa magnitude que lideram a lista de mortes em relação a suas populações são Itália, Brasil, Peru, Polônia e Reino Unido.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos