Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.347,77
    +1.859,89 (+1,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.397,72
    -120,58 (-0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,65
    +0,37 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.851,70
    +9,60 (+0,52%)
     
  • BTC-USD

    29.250,19
    -715,17 (-2,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    656,90
    -17,98 (-2,66%)
     
  • S&P500

    3.973,75
    +72,39 (+1,86%)
     
  • DOW JONES

    31.880,24
    +618,34 (+1,98%)
     
  • FTSE

    7.513,44
    +123,46 (+1,67%)
     
  • HANG SENG

    20.470,06
    -247,18 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    27.001,52
    +262,49 (+0,98%)
     
  • NASDAQ

    12.055,75
    +215,00 (+1,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1414
    -0,0114 (-0,22%)
     

Brasil tem 3ª maior inflação ao consumidor das Américas

***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 08.02.2019 - Calculadora científica. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 08.02.2019 - Calculadora científica. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A inflação ao consumidor no Brasil se manteve em abril entre as três maiores nas Américas, atrás apenas de Venezuela e Argentina, países que já viviam uma situação de descontrole inflacionário antes das pressões geradas pela pandemia e pela Guerra da Ucrânia.

O índice de preços ao consumidor atingiu 12,1% no acumulado em 12 meses em abril, segundo dados do IPCA divulgados nesta quarta-feira (11) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Na Venezuela, o índice local acumula alta de 222% no mesmo período. Na Argentina, de 55% no acumulado até março (ainda não há dados para o mês passado).

Paraguai, Jamaica e Chile completam a lista de países na região com índices acima de dois dígitos. Os EUA, que registram inflação de 8,3% no acumulado até abril, ocupam a 10ª posição, segundo levantamento feito na plataforma Tradingeconomics.

Embora disseminada em praticamente todos os países, a alta da inflação chegou antes ao Brasil e tem se mostrado mais resistente por aqui, o que tem sido uma preocupação adicional para os planos de reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL).​

Nesta quarta, após a demissão de Bento Albuquerque do Ministério de Minas e Energia, o presidente disse que "o Brasil foi um dos países que menos subiu o preço das coisas".

Entre as economias do G20, o Brasil perdeu recentemente a terceira posição entre aqueles com maior inflação para a Rússia, que sofre sanções relacionadas à guerra. Dentro desse grupo, o país está agora na quarta posição, atrás também de Turquia e Argentina.

A inflação média do G20 para dados divulgados em abril é de 6,6%, quando se exclui a Turquia. Com uma inflação de 70% em 12 meses, o país puxa a média para quase 11% quando colocado na amostra.

Os países desenvolvidos têm sofrido mais por conta dos preços de combustíveis e outros itens ligados ao fornecimento de energia. Já os emergentes sofrem adicionalmente com a questão dos alimentos.

BANCOS CENTRAIS REAGEM À ALTA DE PREÇOS ELEVANDO JUROS

Diversos bancos centrais têm reagido à inflação e elevado as taxas de juros —e o Brasil não é exceção. Atualmente, o país possui a maior taxa de juros ao ano (6,69%), descontada a projeção de inflação, segundo o ranking de juros reais compilado pelo portal MoneYou e pela gestora Infinity Asset Management.

A lista tem 40 países. Na média, a taxa de juros real ainda é negativa entre esses países.

A piora no cenário econômico externo, que puxou novamente o dólar para cima, frustrou as expectativas de que a inflação começasse a recuar em maio e levou o Banco Central a sinalizar novas altas de juros neste ano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos