Mercado abrirá em 1 h 52 min

Aviões partem nesta quarta para buscar 29 brasileiros na China

Rafael Bittencourt, Edna Simões e Raphael Di Cunto

Eles embarcam para o Brasil no sábado e ficarão será na Base Aérea de Anápolis (GO) O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, afirmou que 29 brasileiros que foram impedidos de deixar a China por estarem no epicentro do coronavírus serão trazidos em operação coordenada pelo governo brasileiro para cumprir quarentena em território nacional.

Azevedo e Silva informou que duas aeronaves (Embraer 190) decolam amanhã, às 12 horas, para buscar os cidadãos brasileiros na cidade de Wuhan, na China, região de origem da epidemia. Os aviões devem chegar na sexta-feira na China. Segundo o ministro, a previsão de retorno ao Brasil é na manhã de sábado. A quarentena será na Base Aérea de Anápolis (GO).

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, informou que familiares, entre pais, filhos e cônjuges, estão incluídos entres as pessoas que serão transportadas para o Brasil. Entre elas, estão quatro cidadãos chineses, com grau de parentesco com os pacientes brasileiros, e sete crianças.

Azevedo e Silva reiterou a informação do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, de que o período de quarentena no Brasil será de 18 dias, quatro além dos 14 recomendados.

Durante a entrevista coletiva, realizada no Palácio do Planalto, o ministro da Defesa afirmou que, após inspeção, o governo decidiu que os pacientes ficarão instalado na base militar em quartos individuais.

Azevedo e Silva ressaltou que tem a expectativa de que o projeto de lei (PL) enviado ao Congresso para adotar o regime de quarentena seja rapidamente aprovado. “Tenho certeza de que os parlamentares da Câmara e do Senado vão aprovar isso no período necessário”, disso.

Sobre o projeto da quarentena, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, afirmou que a intenção do ministério era criar um arcabouço jurídico para ameaças de epidemia como essas no futuro, mas que, para tornar mais ágil a aprovação pelo Congresso, decidiram focar o projeto apenas no novo coronavírus.

“Se não fosse tão específico, o Congresso precisaria de mais tempo para debater, então optamos por focar no coronavírus porque teríamos resposta mais rápida”, disse Gobbardo.

Ao todo, há 13 casos suspeitos sendo investigados de pessoas doentes que estão em solo brasileiro. Não há nenhum caso confirmado no país. Mesmo assim , o ministério declarou emergência em saúde pública. As contaminações na China já passam de 20 mil, com pouco mais de 400 vítimas fatais.

O projeto de lei enviado hoje para criar uma quarentena permite o fechamento de portos, aeroportos e rodovias.

O texto estabelece dois conceitos: isolamento, para separação de pessoas doentes ou contaminadas ou de bagagens, meios de transporte, mercadorias ou encomendas postais; e quarentena, para restrição de atividades ou separação de pessoas suspeitas de contaminação das pessoas que não estejam doentes.

A proposta também dispensa de licitação a aquisição itens de saúde referente ao tratamento do coronavírus.

O tratamento dos doentes ou suspeitos de terem a doença será gratuito, segundo o projeto, e eles terão o direito de serem informados sobre seu estado de saúde. As faltas no serviço, seja público ou privado, serão abonadas.

Funcionários usam máscaras no Aeroporto Internacional de São Paulo coronavírus

AP Photo/Andre Penner