Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.608,76
    -345,14 (-0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.036,38
    +293,23 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,41
    +1,98 (+1,83%)
     
  • OURO

    1.809,20
    +7,70 (+0,43%)
     
  • BTC-USD

    20.192,76
    +900,72 (+4,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,83
    +18,69 (+4,45%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.232,65
    +64,00 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.153,81
    +218,19 (+0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.693,00
    +81,75 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5471
    -0,0069 (-0,12%)
     

Brasil tem 1,2 milhão de adolescentes em situação de trabalho infantil

Brasil tem 1,2 milhão de adolescentes de 14 a 17 anos em situação de trabalho infantil. Foto: Fabio Teixeira/Anadolu Agency/Getty Images.
Brasil tem 1,2 milhão de adolescentes de 14 a 17 anos em situação de trabalho infantil. Foto: Fabio Teixeira/Anadolu Agency/Getty Images.
  • Brasil tem 1,2 milhão de adolescentes de 14 a 17 anos em situação de trabalho infantil, segundo levantamento da Fundação Abrinq;

  • Dados mais recentes, do último trimestre de 2021, apontam que havia cerca de 2,36 milhões de adolescentes entre 14 e 17 anos procurando emprego ou trabalhando;

  • Em paralelo, o número de pessoas que passa fome no Brasil chega a 33,1 milhões, segundo pesquisa da Rede Penssan.

O Brasil tem pelo menos 1,2 milhão de adolescentes, entre 14 e 17 anos, em situação de trabalho infantil, segundo levantamento da Fundação Abrinq. O número vem de dados do último trimestre de 2021, quando havia 2,36 milhões de jovens dessa faixa etária trabalhando ou procurando emprego.

Leia também:

Em paralelo, a quantidade de pessoas que passa fome no país já chega a 33,1 milhões, de acordo com pesquisa divulgada durante a última semana pela Rede Penssan.

Para o gerente executivo da Fundação Abrinq, Victor Graça, “é a falta de renda que empurra esses adolescentes para esse caminho. O trabalho infantil até os 13, 14 anos é mais no campo. Na agricultura e pequenas criações. Depois é mais urbano. São meninos de baixa renda que estão na construção civil, lavando carros".

Os números da Abrinq foram levantados segundo critérios de identificação de crianças e adolescente em situação de trabalho infantil informados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A fundação considera como trabalho infantil as ocupações que estejam em desacordo com a legislação brasileira para a faixa etária. Apenas jovens acima de 16 anos podem trabalhar, com restrições. Entre 14 e 15 anos só há possibilidade sob condição de aprendiz.

*Com informações do Jornal O Globo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos