Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,59
    +0,04 (+0,05%)
     
  • OURO

    1.784,60
    +24,70 (+1,40%)
     
  • BTC-USD

    17.161,45
    +701,00 (+4,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,06
    +5,37 (+1,34%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    12.063,00
    +20,75 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3965
    -0,0601 (-1,10%)
     

Brasil tem 1,2 milhão de adolescentes em situação de trabalho infantil

Brasil tem 1,2 milhão de adolescentes de 14 a 17 anos em situação de trabalho infantil. Foto: Fabio Teixeira/Anadolu Agency/Getty Images.
Brasil tem 1,2 milhão de adolescentes de 14 a 17 anos em situação de trabalho infantil. Foto: Fabio Teixeira/Anadolu Agency/Getty Images.
  • Brasil tem 1,2 milhão de adolescentes de 14 a 17 anos em situação de trabalho infantil, segundo levantamento da Fundação Abrinq;

  • Dados mais recentes, do último trimestre de 2021, apontam que havia cerca de 2,36 milhões de adolescentes entre 14 e 17 anos procurando emprego ou trabalhando;

  • Em paralelo, o número de pessoas que passa fome no Brasil chega a 33,1 milhões, segundo pesquisa da Rede Penssan.

O Brasil tem pelo menos 1,2 milhão de adolescentes, entre 14 e 17 anos, em situação de trabalho infantil, segundo levantamento da Fundação Abrinq. O número vem de dados do último trimestre de 2021, quando havia 2,36 milhões de jovens dessa faixa etária trabalhando ou procurando emprego.

Leia também:

Em paralelo, a quantidade de pessoas que passa fome no país já chega a 33,1 milhões, de acordo com pesquisa divulgada durante a última semana pela Rede Penssan.

Para o gerente executivo da Fundação Abrinq, Victor Graça, “é a falta de renda que empurra esses adolescentes para esse caminho. O trabalho infantil até os 13, 14 anos é mais no campo. Na agricultura e pequenas criações. Depois é mais urbano. São meninos de baixa renda que estão na construção civil, lavando carros".

Os números da Abrinq foram levantados segundo critérios de identificação de crianças e adolescente em situação de trabalho infantil informados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A fundação considera como trabalho infantil as ocupações que estejam em desacordo com a legislação brasileira para a faixa etária. Apenas jovens acima de 16 anos podem trabalhar, com restrições. Entre 14 e 15 anos só há possibilidade sob condição de aprendiz.

*Com informações do Jornal O Globo.