Mercado fechado

Brasil saúda plano lançado por Trump para o conflito israelense-palestino, diz Bolsonaro

Matheus Schuch
·2 minutos de leitura

Em discurso na ONU, presidente fez um apelo à liberdade religiosa, cobrou "combate à cristofobia" e defendeu a abertura comercial, além da reforma da OMC O presidente Jair Bolsonaro destacou hoje em discurso na abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas a iniciativa do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em tentar viabilizar uma solução para o conflito entre palestinos e israelenses. Bolsonaro disse acreditar que o momento é propício para abertura de horizontes mais otimistas para o futuro do Oriente Médio. Brasil é vítima de campanha de desinformação com interesses obscuros, diz Bolsonaro 'Brasil está disposto a participar do 5G com parceiros que prezem a proteção de dados' “Os acordos de paz entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, e entre Israel e o Bahrein, três países amigos do Brasil, com os quais ampliamos imensamente nossas relações durante o meu governo, constitui excelente notícia. O Brasil saúda também o Plano de Paz e Prosperidade lançado pelo Presidente Donald Trump, com uma visão promissora para, após mais de sete décadas de esforços, retomar o caminho da tão desejada solução do conflito israelense-palestino”, afirmou. Bolsonaro pregou que a “liberdade é o bem maior da humanidade’, mas pontuou que o Brasil é “um país cristão e conservador e tem na família sua base”. “Faço um apelo a toda a comunidade internacional pela liberdade religiosa e pelo combate à cristofobia”, pontuou. O presidente disse ainda que o Brasil está preocupado e repudia o terrorismo em todo o mundo. “Na América Latina, continuamos trabalhando pela preservação e promoção da ordem democrática como base de sustentação indispensável para o progresso econômico que desejamos”, garantiu. Uma das contribuições que o Brasil tem dado, segundo Bolsonaro, é com ajuda humanitária a refugiados venezuelanos. “O Brasil está comprometido com os princípios basilares da carta das Nações Unidas. Temos oportunidade de renovar nosso compromisso e fidelidade a estes ideais”, asseverou. “O Brasil tem os princípios da paz, cooperação e prevalência dos Direitos Humanos escritos em sua Constituição”. Sobre os acordos internacionais na área econômica, garantiu que o país segue comprometido com a conclusão dos acordos comerciais firmados entre o Mercosul, a União Europeia e com a Associação Europeia de Livre Comércio. “Esses acordos possuem importantes cláusulas que reforçam nossos compromissos com a proteção ambiental. Em meu governo, o Brasil, finalmente, abandona uma tradição protecionista e passa a ter na abertura comercial a ferramenta indispensável de crescimento e transformação”, assegurou. O presidente reafirmou apoio à reforma da Organização Mundial do Comércio, “que deve prover disciplinas adaptadas às novas realidades internacionais” e lembrou que o Brasil está perto do início do processo oficial de acessão à OCDE. “ Por isso, já adotamos as práticas mundiais mais elevadas em todas as áreas, desde a regulação financeira até os domínios da segurança digital e da proteção ambiental”, concluiu. ATENÇÃO: DEFINIR CRÉDITO!