Mercado abrirá em 7 h 6 min
  • BOVESPA

    120.636,39
    -605,24 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.495,41
    -962,61 (-2,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,35
    +0,37 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.850,00
    +9,80 (+0,53%)
     
  • BTC-USD

    35.376,46
    -517,79 (-1,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,63
    -13,57 (-1,90%)
     
  • S&P500

    3.798,91
    +30,66 (+0,81%)
     
  • DOW JONES

    30.930,52
    +116,26 (+0,38%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.718,86
    +76,58 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    28.440,47
    -192,99 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.031,50
    +46,00 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5063
    +0,0077 (+0,12%)
     

Brasil registra maior índice de queimadas na década

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
Gustavo Basso/Projeto Solos

O número de focos de queimadas no Brasil em 2020 representou o maior índice da década, segundo dados do Programa Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

No ano passado, o país registrou 222.798 focos, ante 197.632 em 2019, alta de 12,73%. O pior aumento foi visto no Pantanal, que registrou 22.116 queimadas em 2020, mais do que o dobro dos 10.025 registros em 2019. Foi o maior número de focos no bioma desde 1998, ano do início da série histórica.

Leia também

As informações são do portal G1. Estima-se que ao menos 23% do Pantanal foi destruído com os incêndios em 2020. Houve alta também na Amazônia: foram 103.161 focos de queimadas, contra 89.171 registradas em 2019. Isso representa um aumento de 15,68%, e é o maior número observado pelo Inpe desde 2017.

Três meses depois de a Polícia Federal e o Ministério Público Federal (MPF) terem deflagrado a Operação Matáá, que apura a responsabilidade de fazendeiros por parte das queimadas recorde registradas no Pantanal em 2020, ninguém foi indiciado ou denunciado. Depoimentos foram tomados, mas a PF aguarda, há quase três meses, o resultado de laudos periciais considerados fundamentais para dar continuidade às investigações.

As investigações se concentraram sobre quatro fazendeiros da região de Corumbá. A suspeita é de que eles teriam ateado fogo na vegetação nativa para abrir mais espaço para pastagens e a criação de gado. Durante a operação, foram apreendidos telefones celulares e computadores. A expectativa era de que a análise desse material poderia esclarecer se houve ordens para que a área fosse incendiada.

Desde então, no entanto, o caso avançou pouco. Os equipamentos apreendidos foram enviados à perícia técnica, mas os laudos ainda não foram finalizados. Sem eles, a PF não tem como aprofundar as investigações e o Ministério Público Federal (MPF), por sua vez, também não pode oferecer denúncias.