Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    49.257,08
    +565,73 (+1,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Brasil registra média móvel de mortes de 961 por Covid-19, segundo boletim do consórcio da imprensa

O país teve 518 novas mortes nas últimas 24 horas; no total, são 209.868 vidas perdidas desde o início da pandemia.
·2 minuto de leitura
Foto: Leo Martins / Agência O Globo

RIO — No mesmo dia em que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso emergencial de duas vacinas no Brasil e a vacinação teve início, o país registrou 518 novas mortes nas últimas 24 horas. No total, são 209.868 vidas perdidas desde o início da pandemia. Também foram registrados 26.400 novos contágios, totalizando 8.483.105 casos.

Por unanimidade, a Anvisa aprovou neste domingo a autorização para uso emergencial de duas vacinas contra Covid-19 no Brasil. Todos os cinco integrantes da Diretoria Colegiada (Dicol) do órgão votaram a favor da aplicação dos fármacos. A sessão, iniciada às 10h, foi concluída por volta das 15h20m.

Com a decisão da Anvisa, a vacina de Oxford, desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford e a capitaneada pela Fiocruz poderá ser aplicada em grupos específicos a partir do momento que o laboratório produtor for comunicado, o que deve acontecer ainda neste domingo. De acordo com a Anvisa, no caso da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac, a aplicação está condicionada à assinatura de um Termo de Compromisso e sua publicação no Diário Oficial da União.

Minutos depois, a enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, se tornou a primeira pessoa vacinada contra a Covid-19 no Brasil. Ela foi imunizada com a CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Ela e outros profissionais de saúde indicados por hospitais públicos e que trabalham na linha de frente do combate à Covid-19 começaram a ser vacinados pelo governo de São Paulo.

No entanto, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que iniciará a distribuição de doses de vacina contra Covid-19 na segunda-feira a partir das 7h, com ajuda das Forças Armadas e, assim, a campanha de vacinação no país começará na quarta-feira.

O Ministério da Saúde pediu ao Instituto Butantan, instituição ligada ao governo de São Paulo, o envio de cerca de 6 milhões de doses a Brasília, para que o produto seja distribuído aos governos locais.

O outro imunizante aprovado para uso emergencial pela Anvisa, a vacina de Oxford, não está ainda disponível no país. O governo federal chegou a anunciar que 2 milhões de doses seriam trazidas da Índia, mas o plano atrasou. Pazuello afirmou que espera que o lote chegue ao país ainda no início desta semana.