Mercado fechará em 6 h 31 min
  • BOVESPA

    98.657,65
    +348,53 (+0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.655,45
    -221,04 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,88
    +0,05 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.905,30
    -6,40 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    11.833,50
    +776,49 (+7,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    238,72
    +5,05 (+2,16%)
     
  • S&P500

    3.426,92
    -56,89 (-1,63%)
     
  • DOW JONES

    28.195,42
    -410,89 (-1,44%)
     
  • FTSE

    5.896,24
    +11,59 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    24.569,54
    +27,28 (+0,11%)
     
  • NIKKEI

    23.567,04
    -104,09 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.677,25
    +27,00 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6396
    +0,0407 (+0,62%)
     

Brasil registra média móvel de 950 mortos por coronavírus, a menor em 85 dias

O Globo
·2 minutos de leitura

RIO — Embora a média móvel de óbitos por coronavírus no país permaneça no formato de um platô, a pandemia sinaliza um tímido arrefecimento desde o início do mês. Nesta terça-feira, a média móvel foi de 950 mortes, o menor índice desde 1º de junho.

As informações são do boletim das 20h do consórcio de veículos de imprensa, formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo, que reúne informações das secretarias estaduais de Saúde.

A "média móvel de 7 dias" faz uma média entre o número de mortes do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o "ruído" causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.

Dez estados apresentam tendência de queda nos óbitos causados pela pandemia: Alagoas, Amazonas, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Pernambuco, Piauí, Roraima, Santa Catarina e Sergipe.

Cinco unidades federativas apresentam tendência de alta: Bahia, Goiás, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e Tocantins.

Por último, 11 apresentam médias móveis consideradas estáveis: Acre, Amapá, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Sul, Rondônia e São Paulo. É, também, o caso do Distrito Federal.

Gasto em cloroquina

Embora não haja comprovação científica de sua eficácia no combate ao coronavírus, o governo brasileiro gastou no mínimo R$ 18 milhões na compra de hidroxicloroquina, cloroquina, ivermectina e azitromicina, segundo levantamento do GLOBO. Só o Ministério da Saúde distribuiu 5,2 milhões de comprimidos de cloroquina a estados e municípios. Os remédios foram produzidos na Fiocruz e no laboratório do Exército.

Em meio à corrida global pela vacina pelo coronavírus – a Universidade de Oxford, por exemplo, pode enviar dados sobre seus testes ainda este ano a órgãos regulares -, a comunidade científica deparou-se, desde o início da semana, com casos documentados de reinfecção por Covid-19 em Hong Kong, Bélgica e Holanda. A descoberta levantou preocupações sobre a duração da imunidade do organismo humano contra o Sars-CoV-2 e as possíveis implicações epidemiológicas se os casos se multiplicarem mundo afora.