Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.664,35
    -786,85 (-0,73%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.102,55
    -339,66 (-0,75%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,26
    +0,03 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.671,90
    +3,30 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    19.470,26
    -49,26 (-0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    444,79
    -1,19 (-0,27%)
     
  • S&P500

    3.640,47
    -78,57 (-2,11%)
     
  • DOW JONES

    29.225,61
    -458,13 (-1,54%)
     
  • FTSE

    6.881,59
    -123,80 (-1,77%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    26.051,86
    -370,19 (-1,40%)
     
  • NASDAQ

    11.234,50
    +6,25 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3068
    +0,0088 (+0,17%)
     

Brasil teve déficit em conta corrente de US$3,5 bi em maio, diz BC

BRASÍLIA (Reuters) - O Brasil registrou déficit em transações correntes de 3,506 bilhões de dólares em maio, frente a um superávit de 2,501 bilhões de dólares registrado no mesmo mês do ano passado, mostraram números do Banco Central nesta sexta-feira.

A piora do saldo no período reflete uma redução do superávit da balança comercial, com as importações crescendo mais do que as exportações, o aumento gradual das despesas com a contratação de serviços internacionais e uma elevação das remessas de lucros e dividendos feitas pelas empresas.

Os investimentos diretos no país, por outro lado, seguiram em alta consistente no mês, somando 4,483 bilhões de dólares, ante 2,233 bilhões de dólares no mesmo período do ano passado.

Já os investimentos em carteira sofreram saída líquida de 3,9 bilhões de dólares em maio, com saldo negativo tanto em ações e fundos de investimento como em títulos da dívida.

A apresentação dos dados de maio das contas externas originalmente ocorreria no fim de junho, mas parte das divulgações do BC segue atrasada mesmo após o fim da greve de servidores do órgão.

Em 12 meses até maio, o país acumulou um déficit em transações correntes equivalente a 1,89% do Produto Interno Bruto (PIB).

(Por Isabel Versiani)