Mercado abrirá em 9 h 15 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,45
    +0,18 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.870,60
    +3,00 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    44.723,19
    +1.148,88 (+2,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,52
    +37,60 (+3,14%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.539,74
    +345,65 (+1,23%)
     
  • NIKKEI

    28.402,64
    +577,81 (+2,08%)
     
  • NASDAQ

    13.354,50
    +51,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4178
    +0,0079 (+0,12%)
     

Brasil registra 3.070 mortes por Covid em 24 h e completa 31 dias com média móvel acima de 2.000

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Brasil registrou 3.070 mortes pela Covid e completou, nesta sexta-feira (16), 31 dias com média móvel de óbitos acima de 2.000 por dia. O país também registrou 76.249 casos da doença. Com isso, desde o início da pandemia, foram perdidas 369.024 vidas no Brasil e houve 13.834.342 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2. Apesar da queda da média móvel de mortes pelo quarto dia consecutivo, o dado permanece elevado: 2.870 mortes por dia nos últimos sete dias. A média móvel é um instrumento estatístico usado para amenizar variações de dados. Ela é obtida pela soma de todas as mortes dos últimos sete dias e divisão do resultado por sete. A média completou, nesta sexta, 86 dias acima de 1.000 mortes por dia. Os dados do país, coletados até as 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diariamente com as secretarias de Saúde estaduais. A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorreu em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.