Mercado abrirá em 1 h 8 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,15
    +0,87 (+1,33%)
     
  • OURO

    1.833,50
    -2,60 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    56.401,49
    +914,55 (+1,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.528,92
    +1.286,24 (+530,02%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.989,12
    +41,13 (+0,59%)
     
  • HANG SENG

    28.231,04
    +217,23 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    28.147,51
    -461,08 (-1,61%)
     
  • NASDAQ

    13.254,50
    -91,50 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3287
    -0,0167 (-0,26%)
     

Brasil registra 2.966 novas mortes por Covid-19 e total atinge 411.588

Gabriel Araujo
·2 minuto de leitura
Equipe do Samu transporta paciente com sintomas de Covid em São Paulo

Por Gabriel Araujo

SÃO PAULO (Reuters) - O Brasil registrou nesta terça-feira 2.966 novos óbitos em decorrência da Covid-19, o que eleva o total de vítimas fatais da doença no país a 411.588, informou o Ministério da Saúde.

Também foram contabilizados 77.359 novos casos de coronavírus, com o total de infecções no país avançando para 14.856.888, acrescentou a pasta.

As cifras diárias reportadas pelo ministério voltaram a subir após dois dias em níveis abaixo da média, uma vez que costumam recuar aos domingos e segundas-feiras em função do represamento de testes aos finais de semana. Na véspera, o país havia registrado menos de 1 mil mortes em um só dia pela primeira vez em quase dois meses.

O Brasil possui o segundo maior número de mortes por Covid-19 no mundo, abaixo apenas dos Estados Unidos, e a terceira maior contagem de casos confirmados de coronavírus, atrás dos EUA e da Índia.

Depois de atingir um pico de 4.249 mortes em um único dia em 8 de abril, na esteira da disseminação de uma variante mais transmissível, o país tem verificado recentemente uma estabilização dos índices da pandemia, ainda que em patamares elevados.

Esta terça-feira foi marcada pelo depoimento do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta à CPI da Covid-19. Nele, Mandetta --que comandava a pasta no início da pandemia-- disse que o Brasil sempre esteve "um passo atrás do vírus" ao não adotar restrições de circulação.

O ex-ministro, exonerado pelo presidente Jair Bolsonaro em abril do ano passado, acrescentou que as medidas impostas no país foram feitas "depois do leite derramado".

Estado brasileiro mais afetado pela Covid-19, São Paulo atingiu nesta terça as marcas de 2.941.980 casos e 98.021 mortes.

Minas Gerais é o segundo Estado com maior número de infecções pelo coronavírus registradas, com 1.378.545 casos, mas o Rio de Janeiro é o segundo com mais óbitos contabilizados, com 45.232 mortes.

O governo federal ainda reporta 13.442.996 pessoas recuperadas da Covid-19 e 1.002.304 pacientes em acompanhamento.