Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,06 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.777,30
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    55.761,93
    -5.179,72 (-8,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,61 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,67 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    -5,50 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6842
    -0,0369 (-0,55%)
     

Brasil reduz previsão de vacinas contra COVID para março; agora são 25 milhões

Fidel Forato
·2 minuto de leitura

Na quarta-feira (10), o Ministério da Saúde reduziu a previsão inicial de doses das vacinas contra a COVID-19 que devem ser usadas em março no Brasil. Para imunizar os brasileiros contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2), são aguardadas entre 22 e 25 milhões de doses para este mês. Anteriormente, a expectativa era de que chegassem de 25 a 28 milhões de doses.

Sobre a mudança nos planos de vacinação contra a COVID-19, o ministro da Saúde Eduardo Pazuello explicou: "Não é uma redução, é uma garantia com possibilidade de ir além". De acordo com o ministro, "nós temos garantidas para março entre 22 e 25 milhões de doses, podendo chegar até 38 milhões de doses. São números realmente impactantes e que vão fazer a diferença na nossa campanha de vacinação".

Ministério da Saúde reajusta número de doses de vacinas contra a COVID-19 esperadas para março (Imagem: Artem Podrez/ Pexels)
Ministério da Saúde reajusta número de doses de vacinas contra a COVID-19 esperadas para março (Imagem: Artem Podrez/ Pexels)

Nesta conta do Ministério da Saúde, são contabilizadas tanto doses de vacinas importadas quanto aquelas envasadas, nacionalmente, pelo Instituto Butantan e pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). No entanto, há uma dificuldade na importação dos imunizantes contra a COVID-19, o que tem obrigado a pasta a rever seus planos. Por exemplo, em fevereiro, a Saúde projetava uma distribuição de até 46 milhões de doses de vacinas para março. Entretanto, no dia 4 de março, a previsão passou para 38 milhões — possibilidade mencionada no último pronunciamento do ministro.

Vacinação contra a COVID-19 no Brasil

Em fala, o ministro Pazuello enfatizou o papel da população e da estrutura do PNI (Plano Nacional de Imunizações) na vacinação nacional contra a COVID-19. Além disso, afirmou que a cooperação entre União, estados e municípios através do SUS (Sistema Único de Saúde) "não será quebrada" e comentou que não faltarão vacinas.

"Nós estamos apenas começando. Isso não é mérito do Ministério [da Saúde], deste governo. É mérito de um PNI de 30 anos, é mérito de uma população que compreende a necessidade da vacinação, é mérito da estrutura do SUS, ampla e tripartite — estado, municípios e a Federação, cada um no seu papel —, que nos dá a capacidade de vacinar 1 milhão, 1,5 milhão de pessoas em um dia", completou.

De acordo com o vacinômetro, desenvolvido pela própria Saúde, o Brasil já imunizou de forma completa — com as duas doses da vacina contra a COVID-19 — 2,5 milhões de brasileiros até esta quinta-feira (11). Para conferir como está o processo de imunização, em tempo real, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: