Mercado abrirá em 4 h 15 min
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,33
    +0,43 (+0,66%)
     
  • OURO

    1.836,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    58.442,30
    +325,46 (+0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.559,83
    +124,05 (+8,64%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.142,00
    +12,29 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    28.595,66
    -14,99 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    29.518,34
    +160,52 (+0,55%)
     
  • NASDAQ

    13.672,00
    -37,75 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3645
    -0,0006 (-0,01%)
     

Brasil reduz perda para o mercado ilegal na pandemia

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A pandemia também impactou os números do contrabando e da economia ilegal. As perdas do Brasil para o mercado ilegal registraram queda de 1,2% em 2020 na comparação com o ano anterior, ficando em R$ 287,9 bilhões, segundo levantamento do Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade. O valor abrange as perdas registradas por 15 setores industriais (R$ 197,2 bilhões) e a estimativa dos impostos que deixaram de ser arrecadados (R$ 90,7 bilhões) por causa da ilegalidade. Segundo o fórum, a variação pode ser relacionada às medidas de combate ao coronavírus no país e nos países de origem do contrabando, como o Paraguai. "As medidas de restrição de circulação e de isolamento social, que esvaziaram as ruas, o bloqueio de fronteiras, a alta do dólar e o aumento das apreensões nas estradas afetaram a disponibilidade dos produtos do crime", afirma o fórum. No caso dos cigarros, as perdas para o contrabando ficaram em R$ 14,2 bilhões no ano passado, ante R$ 15,9 bilhões em 2019.