Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.783,90
    +21,20 (+1,20%)
     
  • BTC-USD

    49.615,39
    +1.844,91 (+3,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Brasil reduz em 10% tarifas de importação sem aval do Mercosul

·2 min de leitura
O ministro da Economia Paulo Guedes (AFP/Sergio Lima)

O Brasil anunciou nesta sexta-feira (5) uma redução de 10% nas tarifas de importação na tentativa de conter a inflação, medida tomada antes do aval de todos os membros do Mercosul.

A comissão executiva da Câmara de Comércio Exterior (Camex) adotou resolução que "reduz em 10% as alíquotas ad valorem do Imposto de Importação de aproximadamente 87% do universo tarifário, sem abranger as exceções já existentes no Mercosul", anunciaram em nota os ministérios da Economia e Relações Exteriores.

A medida será aplicada "temporariamente" até 31 de dezembro de 2022 sob "amparo do disposto na alínea 'd' do artigo 50 do Tratado de Montevidéu de 1980 (TM-80), que prevê a possibilidade de adoção de medidas voltadas para a proteção da vida e da saúde das pessoas", afirma a nota.

A decisão "justifica-se pela situação de urgência trazida pela pandemia de covid-19 e pela necessidade de poder contar, de forma imediata, com instrumento que possa contribuir para aliviar seus efeitos negativos sobre a vida e a saúde de população brasileira".

Em 8 de outubro, Brasil e Argentina concordaram em reduzir em 10% a tarifa externa comum do Mercosul, após meses de tensão em torno da flexibilização do bloco. Mas a medida teria que ser validada pelos outros dois sócios, Uruguai e Paraguai.

O ministério das Relações Exteriores uruguaio considerou, em sua conta no Twitter, que a decisão brasileira "reflete a necessidade de modernizar e abrir o Mercosul, como forma de conseguir uma maior abertura e inserção internacional".

Nos últimos meses, o governo brasileiro promoveu uma série de medidas para conter a inflação, que acumula alta de 10,25% em 12 meses até setembro, superando os dois dígitos pela primeira vez em mais de cinco anos.

A redução da tarifa externa comum sobre as importações de países terceiros tem sido, juntamente com a possibilidade de negociação individual de acordos comerciais com países terceiros, uma das questões mais espinhosas para o bloco nos últimos anos.

A flexibilização do bloco, impulsionada sobretudo pelo Brasil e pelo Uruguai, em busca de uma maior inserção na economia global, esbarrou na imobilidade da Argentina e foi a causa de grandes tensões.

val/mel/mr/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos