Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,65 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,20
    -0,07 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.854,80
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    32.478,74
    +185,68 (+0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,02 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,95 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.618,77
    -12,68 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.396,00
    +34,50 (+0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6528
    +0,0008 (+0,01%)
     

Brasil prepara mais estímulos caso pandemia se agrave

Martha Beck
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Ministério da Economia prepara medidas de estímulo para apoiar empresas e trabalhadores caso a pandemia continue se agravando e os governadores tenham que decretar ações mais rígidas de isolamento social, segundo duas pessoas a par do assunto. O plano inclui, por exemplo, o pagamento antecipado de benefícios sociais, como abono salarial e 13º salário para aposentados, além do diferimento de tributos.

As medidas, semelhantes às implantadas pelo governo no início da pandemia, têm impacto no fluxo de caixa do governo. Entretanto, ficariam dentro teto de gastos, pois já são previstas e apenas seriam antecipadas, disseram as pessoas, pedindo anonimato porque a discussão não é pública.

Uma extensão do auxílio emergencial - programa que custou aos cofres públicos R$ 322 bilhões - não está sobre a mesa agora, mas pode se tornar necessária se governadores optarem por medidas em que lojas e serviços tenham que permanecer fechados.

A equipe econômica conta com uma ampla campanha de vacinação em 2021 para evitar riscos de mais pressões por gastos no ano que vem. O Ministério da Economia já anunciou uma verba de R$ 20 bilhões para um programa nacional de imunização.

Procurado, o Ministério da Economia não respondeu imediatamente a pedido de comentário.

O aumento de casos e mortes por Covid-19 deixou os estados em alerta máximo, com São Paulo fechando todas as atividades não essenciais durante os feriados de Natal e ano novo. A campanha de vacinação de âmbito nacional ainda não tem data marcada para começar.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.